Falam-se línguas (translate)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Código de conduta

Leitores informados e vividos, elucidem-me, por obséquio.
Há algum código de conduta e socialização para mães que levam filhos à piscina? Não, não estou a falar de mães que nos balneários, sem dar cavaco a ninguém, mudam os pertences de outras crianças para que a sua Bruna possa ficar ao lado da prima Diana (juro, não estou a inventar) enquanto se vestem.
Por exemplo no cabeleireiro, se não me apetecer falar, sei que se enfiar o nariz numa revista ou fechar os olhos, o Diogo não me pergunta se não gostava de mudar, se é hoje que vamos fazer um corte mais ousado, se experimentamos a côr da moda.
A minha dúvida é esta, quando estamos nas bancadas e uma mãe se mete connosco e começa a falar do filho que felizmente já está tão desinibido na água, quem diria depois de tudo o que passou, e nos conta com pormenores a gravidez de risco, todos os minutos de um parto sem epidural e uma cesariana de emergência, e mais um historial de internamentos em urgência pediátrica, nós só temos de ouvir, ou também temos de contar a nossa experiência?

27 comentários:

  1. não caias! deixa-a falar... quanto muito sorri e ainda assim com alguma cautela. o truque é nunca abrir o flanco, se não estás feita, mas tão feita... vai por mim, sei do que falo, e no meu caso é bem pior, é uma avó. um pesadelo, é o que te digo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sorrir? Como assim, sorrir? Foi um parto de 28 horas sem epidural que acabou em cesariana?

      Eliminar
    2. o problema é que se te expressares, abrir os olhos...ou semicerrres, vá que nesse caso tb se aplica, estás a mostrar compaixão, empatia, e pimba, estás apanhada. o próximo é episódio é o pós.parto, e os pontos e... céus...vamos ficar por aqui. sério, sei do que falo.

      Eliminar
    3. Confere, 19 agrafos, 6 dos quais infectados... mas
      tite com febrões de 40.ºC

      Eliminar
    4. ahahahahahahahahahah! vês?!
      (cuidado, a mastite dá pano para mangas...)

      Eliminar
    5. Dá pano para mangas? então não dá caroços no peito? :P

      Eliminar
    6. tb! e muitos! ... mas não vamos entrar por aí, pois não?!
      :D

      Eliminar
  2. Pega no telemovel e afasta-te um pouco enquanto lhe pedes desculpa porque tens de atender uma chamada muito urgente e depois não voltes ao mesmo lugar (ao pé dela).
    Sorri-lhe e acena-lhe sempre de longe.
    (mantém o telefone na mão para o caso de ela se voltar a aproximar)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eu não quero ser anti-social. A senhora é uma stay-at-home-mom vive sozinha com os filhos, o marido está em França, acredito que lhe saiba bem falar com um adulto de vez em quando. Só fico é sem saber como reagir (e muito pouca vontade de lhe contar como correu a minha cesariana agendada perfeitamente normal e tranquila)

      Eliminar
  3. É fazer sinal à senhora enquanto apontas para a tua orelha e dizes que te esqueceste do aparelho em casa!

    ResponderEliminar
  4. Ahaha! Pois bem, como leitora experiente e vivida aproveito essas alturas para fazer a lista mental das compras de supermercado e decido se para o jantar acompanho os bifes com arroz ou com batatas fritas.

    Enquanto isso, faço como os pinguins do Madagáscar, (não aceno) mas sorrio. Muito. Com a prática desenvolve-se a capacidade de emitir sons e pequenas frases - "Ah, que horror!"/ Que maravilha!/ Pois, realmente, veja lá..." - sem ouvir grande coisa.

    Não resolve, mas ajuda a passar o tempo. Também podes sacar do telemóvel e fazer de conta que vibrou e que recebeste uma mensagem. E piras-te para fazer um telefonema.

    Não tens de quê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mais ou menos isso que fiz. Ia abrindo a boca de espanto, fazendo um esgar de horror aqui, um sorriso tímido ali, e soltando palavras à toa, pois, pois, ahhh, realmente...

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Nas paragens de autocarro não sei, que já não ando há muito tempo, mas nas salas de espera dos consultórios médicos, também é garantido (e o pior é que o tema acaba por ser, invariavelmente, doenças).

      Eliminar
  6. Aconselha-a a abrir um blog. Clientela não lhe faltará, mas quem não quer saber fica livre da coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida uma sugestão a ter em conta! Isto realmente, assim é que se vê quem sabe da vida, que é muita dúzia de rissole e cocrete frito e muita mine aviada todos os dias em vez de se andar a queixar ah e tal, não me apetece falar de partos com estranhos.

      Eliminar
  7. Candy crash... companheiro de muitas secagens há espera da criação. ( e mais, se fores rebentando cenas à medida que a senhora vai falando ela perde a pica, acredita)

    ResponderEliminar
  8. Respostas
    1. 'smalibre de me viciar nessas coisas! Eu sou fraquinha, Rita. O mais certo era deixar a miúda na água horas a fio até ficar encarquilhadinha, tipo passa, só para passar de nível.

      Eliminar
  9. Não tens um iPhone? Enfias a cabeça no telefone desde que te sentas até que te levantas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho um samsung... Mas tenho i-pad.

      Eliminar
    2. Então vá. Cabeça enfiada no i-Pad desde que te sentas até que sais.

      Eliminar
  10. A Mirone cometeu um erro muito grande: não levou um livro para a piscina (se for um ebook ou uma revista ou estiver meramente a olhar para o ipad, não tem tanta eficácia; as pessoas não levam a leitura tão a sério). Quando o mal já está feito, é manter uma conversa básica à base de 'pois'; mais do que isso, corre-se o risco de a interlocutora achar que são amigas .... (não preciso de lhe dizer o que acontecerá todas as aulas de natação no futuro, pois não?)

    ResponderEliminar
  11. Seria uma excelente solução, se me conseguir abstrair do pum-pum-pum das aulas de hidroginástica na piscina ao lado para ler e aprrender o conteúdo de mais do que 4 ou 5 páginas... Será tida em consideração.

    ResponderEliminar