Falam-se línguas (translate)

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Porquê, facebook, porquê?

Grandes mistérios da humanidade

(além das enormes filas, verdadeiras correntes humanas, dignas de Livro Guinness, aos balcões da CGD sempre que tenho de lá ir)

Montras em permanente execução (durante anos, senhores, anos!, o papelucho até já está todo queimado do sol) só para não afixarem os preços dos bens expostos.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Gosto tanto deste senhor!


Ó Mãe, ó Mãe, liga o computador que estou a dar na internet!

Ah pois é, a Maria das Palavras convidou-me para a sua Prova dos Nove. Vejam tudo aqui e fiquem a saber se a Maria continua a ser a blogger menos in do blogo-pedaço ou se desta vez arranjou quem a destronasse.
Maria, muito obrigada pelo convite, foi com enorme gosto e satisfação que participei nesta prova.

Senhores das operadoras de comunicações e bancos, aprendam com a Maria da próxima vez que vos apetecer ligar-me para a fazer inquéritos de satisfação. Se não for satisfatório para o cliente, abstenham-se de o incomodar.

Lucas 1:26

Anuncia-se, desde o primeiro dia em que pus os pés no prédio, como Anunciação Alves, "A vizinha do 3.ºC, a moradora mais antiga do prédio, pode quase dizer-se que sou a administradora oficiosa do condomínio". De cabelo muito curto, e que não pinta, esconde o novo corpo em formato de maçã que a menopausa lhe trouxe debaixo de roupas largas e desportivas, um hábito que lhe ficou desde os tempos em que dava aulas de educação física no liceu. Ao pescoço pendura os óculos de aviador e um porta chaves de fita azul turquesa. 
O estatuto que reclama de administradora oficiosa de condomínio confere-lhe, na sua imaginação, mais que o direito, o dever de uns dias antes do designado pela convocatória para a reunião de condomínio, bater a todas e cada uma das portas do prédio, "para tomar-lhe só um minutinho, é por causa dos 'outros assuntos de interesse do condomínio' que gostava de incluir na ordem de trabalhos da reunião". Lamentavelmente, em seu entender, nunca conseguiu fazer passar umas quantas alterações ao regulamento de condomínio. A primeira de todas, e que há oito anos tem vindo a ser chumbada, a de criar efectivamente o cargo de administrador oficioso de condomínio, o condómino mais antigo e que, independentemente da permilagem da sua fracção, não fosse dar-se o caso de ser um pequeno T1, teria voto de qualidade, ou quantidade, consoante a perspectiva, lhe atribuísse a permilagem equivalente a um andar. "Alguém que estivesse em permanência no prédio, tirando duas semanas em S. Pedro do Sul no início de Setembro, que assegurasse o cumprimento das regras, hoje posso ser eu, mas amanhã pode ser outro, ninguém está salvo de um dia fechar os olhos quando menos se espera". A segunda regra cuja proposta de introdução no regulamento apresenta paulatinamente e que, paulatinamente também, tem vindo a ser recusada, é uma que "bom, eu não queria dizer condicionar, ai de mim meter-me na maneira como as pessoas se governam, mas enfim, fazer depender, também não é fazer depender... Era mais podermos pronunciar-nos sobre quem podem ser os inquilinos dos apartamentos. Atenção, eu acho muito bem que se arrendem as casas vazias, mas já viu o que é entrar aqui qualquer pessoa? Um dia são estudantes, outro dia são o quê, brasileiras, pretos?".
Amanhã há reunião de condomínio. Previsivelmente, ontem foi dia de Anunciação. "Boa noite, vizinha, não lhe tomo muito tempo, é por causa da reunião de quarta-feira, só para propor que se introduzissem uns assuntos no ponto 3 da ordem de trabalhos e saber se a vizinha me acompanha. Sabia que o Dr Antunes foi transferido para o Funchal? Foi, já no início de setembro. Parece que o 4.º A está para arrendamento. Havia de se ver isso das regras de que falei no ano passado, não lhe parece?".

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Ora muito bom dia!



Street's like a jungle
So call the police
Following the herd
Down to Greece, on holiday
Love in the Nineties, is paranoid
On sunny beaches take your chances
Looking for
Girls who are boys
Who like boys to be girls
Who do boys like they're girls
Who do girls like they're boys
Always should be someone, you really love
Avoiding all work
'Cos there's none available
Like battery thinkers count your thoughts
On one, two, three, four, five fingers
Nothing is wasted only reproduced
You get nasty blisters
Du bist sehr schen
But we haven't been introduced
Girls who are boys
Who like boys to be girls
Who do boys like they're girls
Who do girls like they're boys
Always should be someone, you really love
Girls who are boys
Who like boys to be girls
Who do boys like they're girls
Who do girls like they're boys
Always should be someone to really love
Looking for
Girls who are boys
Who like boys to be girls
Who do boys like they're girls
Who do girls like they're boys
Always should be someone, you really love
Girls who are boys
Who like boys to be girls
Who do boys like they're girls
Who do girls like they're boys
Always should be someone, you really love
Girls who are boys
Who like boys to be girls
Who do boys like they're girls
Who do girls like they're boys
Always should be someone, you really love
Girls who are boys
Who like boys to be girls
Who do boys like they're girls
Who do girls like they're boys
Always should be someone to really love


sábado, 26 de setembro de 2015

Não há desculpas

Amanhã é dia de entrada gratuita nos principais museus e monumentos nacionais. E são tantos.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Vivendo e aprendendo

Estava aqui a reservar uns voos na Tap e reparei que cobram mais 15 euros para servir uma refeição halal, kosher, para diabéticos, doentes celíacos ou intolerantes ao glúten.

Qual é coisa qual é ela

que dois meses depois de uma reparação de 200 € avaria outra vez?





Vou deixar de atender o telefone à minha Céu. E gravar o número da assistência técnica.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Estava a ver as notícias

.... que dizem que Ricardo Salgado já tem autorização do juiz para ir votar. A questão que se colocava agora era saber se iria com escolta policial armada até 100 metros da assembleia de voto e os restantes metros faria sozinho ou acompanhado de escolta à civil e desarmada ou se faria o trajecto sempre acompanhado de escolta desarmada.
Para mim  a questão da escolta é um mero pormenor, o que me intriga mesmo, ainda que não me diga respeito, é saber em quem votará ele. No lugar de Ricardo Salgado não sei bem em que votaria. Às tantas nem vota em ninguém, vai lá fazer uns bonecos no boletim, escrever uns impropérios, talvez, e vem embora.

Jogamos Pictionary?

O tema é Metáforas.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Tenho cá para mim...

... que o Marinho e Pinto só faz campanha no meu quarteirão (a lei do financiamento dos partidos foi-lhe madrasta, só pode, e os fundos devem ser curtos para alargar territórios de intervenção). Todos os dias aqui anda um carro com altifalante às voltas, como quem anda à procura de estacionamento e não encontra, chega a estar nisto mais de meia hora. 
Também tenho cá para mim que esta "insistência" é capaz de lhe roubar mais votos do que dar.

Redação

O Outono

O outono é uma das minhas quatro estações do ano favoritas. Também é a estação do ano em que voltamos a ouvir as histórias de caçadores. Gosto muito do Outono.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Condescendência? Nem isso.

Vinha agora no carro a ouvir a reportagem da TSF que acompanhou esta manhã Eurico Figueiredo (MPT) pelas ruas do Porto. Dizia ele, com voz de pseudo-galã, à jornalista:
-Sabe, temos de abordar as senhoras com sorrisos, minhas lindas senhoras, que belas, como estão?, enfim sermos cavalheiros, sabe como é...
A jornalista contrapôe:
- Mas os homens também votam.
-Ora, ora, pois votam, mas tenho mais facilidade em falar com senhoras.




Um dia farás um repost

Hoje não é o dia.
Ainda que me continuem a intrigar as moscas que durante horas se atiram violentamente contra o vidro de uma janela fechada.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Podia ter guardado este momento só para mim, pois podia, mas decidi partilhá-lo

Nove horas e poucos minutos da manhã. 
Sentei-me à secretária e liguei o computador. Um minuto depois desliga-se, pufff, sem qualquer aviso. Hummm... Devo ter carregado um Fn+Fqualquer coisa sem dar conta, é isso, vamos lá ligar isto outra vez. Carreguei no botão do onofre (On/Off), ouvi o barulhinho do costume, o monitor acendeu e pufff outra vez, apagou. Carrego outra vez, o barulhinho, o monitor que pisca e pufff. Insisto. Carrego com mais força e, desta feita, nada. Ok, Mirone, sem stress, olha as rugas e os cabelos brancos que te ficam numa fortuna em cremes e tintas para o cabelo, mais vale comprar um computador novo. Liga mas é ao bombeiro de serviço que ele arranja-te um computador de emergência.
Segundos mais tarde:
- Estou, Mr. Mirone, nem vais acreditar, o meu computador morreu-me mesmo agora nos braços, tento ligar, faz aquele barulhinho de arranque, o monitor pisca mas nem um segundo aguenta. Nada, finito, kaput. Entregou a alma ao criador. Não percebo, ficou a noite toda a carregar a bateria... Aliás, está ligado ao cabo, mesmo que não tivesse bateria, devia arrancar.
- Tira a bateria.
- só um segundinho. ... Já está.
- Verifica se o cabo está ligado à tomada e tenta arrancar.
- ...

...

...

...

Pois. Olha, onde é que almoças hoje?

Sai uma teoria absolutamente espetacular para o blog do canto

Uma pessoa cujo nome não vou revelar mas que desde então dorme comigo, assegurou-me há dez anos, na primeira viagem que fizemos juntos e onde começámos a namorar, que não me preocupasse com a melga que via no tecto do quarto porque essa não era das que picavam. As criminosas responsáveis pelas brotoejas medonhas que faço de cada vez que sou ferrada são as que repousam nas paredes, dizia. Na altura quase sufoquei de riso, momento que essa pessoa guarda vividamente nas memórias daquela viagem e com um piquinho de mágoa. 
Esta noite, vá-se lá saber porquê, que nunca antes tive melgas em casa, fui mordida por uma. Trago os braços numa miséria. Esta manhã procurei a meliante para lhe limpar o sarampo e, por cima da cabeceira da cama, na parede, lá estava estava ela a rir-se para mim. Morre, criatura do demo! Teve um triste fim, só por causa das tosses. 
Mr. Mirone (pronto, foi ele, fica desvendado o mistério) não disse nada, mas esboçou um sorriso vitorioso. Dez anos depois fazia-se justiça e repunha-se a verdade.
A questão que tenho para vos colocar é só uma: Foi coincidência, não foi? Tanto mordem as melgas que estão no tecto como as que estão nas paredes, certo? Até porque na natureza não há "paredes", ou pousam todas nos troncos das árvores? 
Pessoas informadas, esclareçam-me por favor, que estou aqui a desenvolver uma úlcera de remorso.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Vou fazer moussaka para o jantar

É só.


Na verdade não é só, também vou fazer uma salada  verde para acompanhar.

Da janela vejo o mesmo, mas com sujidade* pelo meio

* inicialmente estava escrito dignidade (a escrita automática do telefone traiu a essência do post, ou não... O local que era merecia uma limpeza mais frequente).

terça-feira, 15 de setembro de 2015

O que vês da tua janela?

Dizia eu que às vezes me dava jeito um carro blindado

Enquanto não chega, vou blindando os fígados.
Novo ancião, nas imediações da escola da Mironinho, desta vez carregado de razão. Alguns pais, não estacionando o carro em frente à sua saída de garagem, estacionam tão próximo que dificultam a visibilidade de quem dela sai e quer entrar na estrada. Estou solidária amigo, fica difícil ver se vem algum carro de cima sem "meter o nariz todo dentro da estrada", só tenho um reparo a fazer, coisa pouca, um pormenor.
Em vez de gritar comigo, que me garante que da próxima vez que estacionar o carro ali me fura os pneus e chama a polícia, que escuso de seguir em frente como se não fosse comigo porque é comigo que está a falar, certifique-se só de que é meu o carro que lhe bloqueia a visibilidade, sim? Poupa-me um revirar de olhos e a si, caro ancião revoltado, com razão, repito, um princípio de enfarte e uma prótese dentária voadora.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Ó meu amigo, isto não é propriamente a caixa de um supermercado ou a fila na repartição de finanças

Numa rampa íngreme onde só passa um carro de cada vez, o carro que se prepara para subir cede passagem ao que já se encontra a descer, não o obriga a fazer a rampa em marcha atrás, só porque quem conduz o carro que sobe já tem uma certa idade.
Quem é que lhes renova a carta de condução, senhores?

Confesso que sim

Já tinha saudades do aconchego de "uma malhinha ".

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Sabem aquela anedota?

Dois amigos, um deles a quem nunca tinha sido conhecida namorada, inscreveram-se num cruzeiro no Mediterrâneo, este último na esperança de pôr termo ao seu longo celibato. O amigo experiente disse-lhe, entusiasmado, que os cruzeiros eram o local ideal para conhecer raparigas disponíveis e que viria de lá um homem novo, mas, atenção, se quisesse que a viagem fosse um verdadeiro sucesso não se podia esquecer de duas coisas muito importantes, preservativos e comprimidos para o enjoo.
Alguns dias antes do embarque, os amigos encontram-se.
-Olha, já tenho tudo preparado, e não me esqueci do que me disseste, já tenho o preservativo e o comprimido para o enjoo.
- Estás louco? Isso não chega, tens de comprar mais!
O rapaz dirigiu-se à farmácia onde no dia anterior comprou o comprimido e o preservativo e pede novamente:
- Queria um preservativo e um comprimido para o enjoo.
No dia seguinte, orgulhoso, dá conta ao amigo de que comprou mais um preservativo e outro comprimido para o enjoo.
-Não pode ser, dois comprimidos e dois preservativos não chegam, tens de comprar mais.
Voltou à farmácia e pediu mais um preservativo e outro comprimido para o enjoo. No dia seguinte volta a encontrar um amigo e conta-lhe das novidades. O amigo volta a dizer-lhe.
- Mas tu não percebes? Vais estar uma semana em alto mar, num barco, rodeado de mulheres lindas e disponíveis, achas que três preservativos e três compridos para o enjoo chegam para tantos dias? Claro que não, tens de comprar mais.
O rapaz volta à farmácia e pede o mesmo de sempre, um preservativo e um comprimido para o enjoo. Intrigado com toda aquela situação, o farmacêutico pergunta:
- Ó amigo, o senhor tem vindo cá, dia após dia, comprar um preservativo e um comprimido para o enjoo. Não me leve a mal a pergunta que lhe vou fazer, aliás, nem tem de me responder, se não quiser, mas se o amigo enjoa, porque é que insiste, pah?


Assim me intrigo eu, quando vejo pessoas insistir em atitudes que não as levam a lado nenhum, antes pelo  contrário.

Estava aqui a fazer um balanço do Verão

Podia fazer uma coisa bonita, romântica, floreada, sobre dias compridos, em que o relógio era o Sol, em que fomos imensamente felizes, os nossos corpos foram livres, despidos de culpa, quando sobre eles não repousava senão sal e sol... Mas sou fraquinha na arte de bem florear, de maneira que me detive em coisas bem mais prosaicas, as bolas de berlim.
Sabem, leitores queridos, quantas bolas de berlim comi este Verão, sabem? Não interessa se com creme ou sem creme, se o creme era o tradicional doce de ovos ou se era nutella, leite condensado, kechtup, maionese de alho, esses recheios que agora lhe espetam dentro. 
Zero! Nenhuma, nem umazinha para amostra. 
E porquê, Mirone?, perguntam os queridos leitores. Para manter a linha? Porque te preocupas com a tua saúde? Não gostas de bolas de Berlim?
Não, nada disso. A razão é bem mais simples. Não comi uma única bola de berlim durante o Verão porque não me apeteceu. 



Pronto, era só isto. Apeteceu-me partilhar estes pensamentos profundos convosco e não queria perder a prática neste belo exercício que é "encher chouriços". Tendo um blog sobre nada posso tudo, não é?

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Pessoas empreendedoras, olhem só esta ideia

Preciso de dois peitos de frango frescos para o jantar e a minha vontade de os ir comprar é, numa escala de 0 a 20, em que 0 representa nenhuma vontade e 20 representa uma vontade insuportável, -5665347.
Agora prestem atenção, que vem aí a ideia vencedora.
E criarem um serviço para o qual eu ligava agora, a dizer que vou sair e dava-vos a minha lista de compras. Vocês tomavam notam, faziam a vossa magia, eu conduzia até casa, estacionava o carro, metia-me no elevador e quando chegasse ao meu andar a porta abria-se, caiam confetti e vocês gritavam"Surpresaaaaa!!!!" e entregavam-me os sacos com as compras que vos tinha pedido.
Espectacular, não?






Pronto, a parte dos confetti seria uma coisa a discutir, mas é uma grande ideia, não é?

De todas as modas apareceram e que não há meio de partirem esta é a que mais me cansa

Desde que as pessoas descobriram o seu "talento natural" para a fotografia e decidiram abalançar-se nessa actividade de forma "profissional" só vejo fotografias iguais. As criancinhas em modo feérico ainda se toleram, são pequeninas e tudo o que é pequenino tem graça. Agora os adultos a fazer caras de pateta com óculos XXL, bigodes presos num pauzinho de espetada e de plumas ao pescoço...

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Portugal dos Pequeninos*




* Que não se confunda com a obra de Bissaya Barreto, Portugal dos Pequenitos. Não andará longe, porém, da obra homónima d'Os Irmãos Catita.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Aceito encomendas

Estou tão "pro" a etiquetar e identificar material escolar que sou capaz de fazer um tutorial para o blog. É muita informação essencial, habilidade e talento juntos numa pessoa só. É preciso partilhá-las com o mundo.

É um elogio, não é?

Tem umas veias muito discretas, Mirone.

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma*

Sou toda a favor da reciclagem e da reutilização dos objectos do quotidiano, mas traço um limite quando o objecto em causa são cuecas velhas.




Antes esperar mais um mês e usar o dinheiro da mensalidade do ginásio para comprar um top em condições do que treinar com um top feito a partir de umas cuecas velhas.
E a musiquinha, senhores, mas que musiquinha é aquela?




*Antoine Lavoisier, paz à sua alma.