Falam-se línguas (translate)

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

São bananas, minha Senhora, são bananas.

Ou eu tenho dois amores que em tudo são iguais, e não tenho a certeza de qual eu gosto mais. A saber, as pessoas que guardam mesa nas praças de restauração dos centros comerciais enquanto o companheiro vai para a fila dos pedidos (obrigando quem já tem a sua refeição a andar ali às voltas com a comia a arrefecer no tabuleiro), e as pessoas que pousam um pacote de arroz na passadeira da caixa de supermercado para depois irem buscar as restantes compras, com a desculpa que vão só buscar um pacote de leite, quando na verdade trazem uma lista de ingredientes para um banquete de cinco pratos quentes e sobremesas várias, bloqueando o andamento da caixa.

Hoje aproveitei a hora de almoço para fazer umas compras no supermercado e presenciei uma variação desta última atitude. Ao aproximar-me da zona das caixas vejo uma senhora de meia idade furar a fila e pousar um saco com bananas na passadeira, que entretanto estava cheia com as compras de um cliente, para grande estupefacção dos restantes. Diz que vai só ali buscar uns lenços de papel, que não se demora e afasta-se com a mesma pressa com que chegou.
Entretanto a minha fila avançava a bom ritmo, e as minhas compras, entre outras um saco com bananas, já estavam na passadeira. Eis senão quando sinto alguém a apoiar-se nas minhas costas. Acto contínuo, vejo um braço que se estica, afasta os meus guardanapos de papel, arreda as garrafas de água, empurra o esparguete e alcança finalmente os sacos da fruta. Eu assistia como quem acorda de uma anestesia geral e ouve as enfermeiras chamar o seu nome, mas é incapaz de qualquer reacção. A menina da caixa, idem. Indiferente, a madame continua, puxa um saco, vê que são tangerinas e larga-o. Puxa outro, confirma ser de bananas e recolhe-o. Desperto.
-Desculpe! O que é que está a fazer com as minhas bananas?
- Olhe, vinha buscar as bananas que a caixa três está a andar mais depressa, enganei-me. Credo, são só bananas, está ali um expositor cheio delas, não é o fim o mundo!




Nota mental: Da próxima vez que não me apetecer ir até ao fundo do supermercado buscar água, agarro no primeiro garrafão que encontrar numa passadeira, assim como assim, está lá ao fundo uma carrada de palettes carregadinhas deles.


Vai que é teu!

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Coincidências

Vi nas notícias que Jerónimo de Sousa assinou o livro de condolências na Embaixada de Cuba. Fê-lo com a mão esquerda.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Aquele momento

Em que tens de dizer coisas extremamente assertivas e inteligentes mas estás hipnotizado pela linha de cabelo recém implantado desenhada a régua e esquadro naquelas que outrora foram entradas charmosas do teu interlocutor.











Um poema dos bons

Foi assim que O Poeta me surpreendeu ontem ao fim da tarde.

«Blog curioso»

Isto de ter um blog curioso,
Tem muito que se lhe diga,
E se o post for jeitoso,
Está a festa conseguida,
Opinião não lhe falta,
Tem um olhar que até salta,
Se lá forem comentar,
Vão dar por aquele olhar,
Fixado no que acontece,
Naquilo que lhe parece,
Mas sempre atenta ao pormenor,
De tudo o que há de melhor,
Na palavra que está escrita,
Que se lê, sem ser dita, 
Sem pressa, mas com humor,
Que assim tem mais valor,





Enternece-me a generosidade de quem me dedica o seu tempo, um dos bens mais preciosos de que dispomos, algo único, irrepetível e que não podemos reter, uma vez usado não mais tornará a nós. Muito obrigada!


terça-feira, 15 de novembro de 2016

O Rodolfo era uma rena

Com o nariz encarnado
Que brilhava no escuro
Era mesmo engraçado.

A Mirone não é rena
Mas tem o nariz encarnado
Tal foi a constipação
Do fim de semana passado.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Vão por mim que não vos engano

Por muito boa que seja a câmera do vosso telefone, as mil e uma fotografias que estão a tirar à lua hão de ficar fajutas.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Aquele extra boost de energia*

Começar o dia a escarafunchar o lixo do átrio do prédio e, quando surpreendida pelo vizinho, tentar manter a dignidade.


*A Mironinho tem de fazer um trabalho sobre a roda dos alimentos e pediu-me para lhe arranjar panfletos de supermercado.










terça-feira, 8 de novembro de 2016

Já desejei com muita força

Fechei os olhos, cerrei os punhos e repeti confiante e muitas vezes "os americanos não são estúpidos, os americanos não são estúpidos, os americanos não são estúpidos!".
A ver se desta o desejo se realiza.

sábado, 5 de novembro de 2016

Senhores diretores de informação desportiva, ponham os olhos nesta analista

Depois de passar pelo Alvalade XXI e gritar pelo clube do seu coração, faz cara séria e afirma:
- Mamã, se um dia for jornalista vou fazer uma notícia sobre o ponto fraco do Cristiano Ronaldo.
- Vais?
- Sim, eu sei qual é o ponto fraco dele e as pessoas vão querer saber porque ele é o melhor do mundo.
- Vão?
- Sim, vão. O ponto fraco dele é que ele não gosta de confrontar o Sporting porque ele marca sempre muitos golos e se marcar golos ao Sporting o Sporting perde.
- Pois, ele gosta muito do Sporting, foi o clube onde se formou, só que depois ele era tão bom que os outros clubes quiseram contratá-lo.
- Sim, eram clubes fracos que queriam ficar com ele para ficarem bons como o Sporting. O Real Madrid era péssimo antes de ter o Cristiano Romaldo, não era mamã?

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Por coisas cá da minha vida

... fui ver o preço dos passes para a Web Summit 2016.
Mulher prevenida vale por duas. As desprevenidas pagam por uma dúzia.



Está esclarecido o mistério

Mr. Mirone foi buscar o casaco à lavandaria.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Tenho ideia de que o jantar acabou pouco depois

Há uns anos estava a jantar num restaurante onde decorria o jantar de Natal de um cabeleireiro e salão de estética. Eram perto de uma dúzia de mulheres bastante animadas e barulhentas, muito por efeito das garrafas de vinho que não paravam de chegar à mesa, uma espécie de despedida de solteira sem a solteira.
A certa altura discutiam-se pilosidade masculinas e havia gostos para tudo, quem preferisse homens ao natural, mesmo que fossem autênticos lobisomens, outras eram defensoras de depilação seletiva, principalmente na área das costas e peito. Uma das senhoras, porém, destacava-se das colegas por defender que os homens eram mais atraentes quando faziam depilação integral. Entre gargalhadas ruidosas dizia:
- Ah pois é, se eles gostam de nós lisinhas, sem um único pelinho, pois eu acho que um homem também é mais bonito se tirar tudinho, tudinho mesmo, só a deixar sobrancelhas e cabeça! Lisinhos, gosto deles completamente lisinhos!
Algures do fundo da mesa chega inesperada uma voz que a interrompe:
- Mas olha que o teu marido é bem peludo.
Ainda hoje sinto calafrios quando recordo o silêncio sepulcral que se fez naquela mesa.

A Lúcia Linda tem o quê?!

Ainda na senda da produtividade potenciada, aproveitei a hora de almoço para ir pôr um casaco de Mr Mirone a lavar, casaco esse, descobriu hoje quando eu estava para sair, que lhe vai ser preciso para sexta feira. Como sou useira e vezeira a pedir milagres para ontem na lavandaria do costume, tive um acesso de vergonha na cara, muito ligeira, ainda assim vergonha, e fui a outra lavandaria, dessas franshisadas, confiante de que, como eu, também entraram em modo "produtividade potenciada". Não entraram, mas excepcionalmente acedem ao meu pedido de especial urgência. Das duas uma, ou sou muito convincente ou o negócio está tão mau que têm de agarrar tudo.
Enquanto preenchia a ordem de encomenda a senhora perguntou-me muito sorridente:
- É a Lúcia Linda? (Costumo alterar os nomes nos meus posts, mas foi mesmo Lúcia Linda que a senhora me chamou).
- Não, sou a Mirone.
- Ah, fiz confusão, desculpe. Como a Lúcia Linda também tem um macaco, pensei que fosse.

Oi? Tem o quê? Também não implica que ambas tenhamos?