Falam-se línguas (translate)

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Porque logo à noite é já daqui a pouco e vou estar ocupada

E não me apeteceu agendar um post bonitinho, muito bem escrito e melhor pensado, quero apenas dizer-vos que o meu ano de 2014 foi irrepetível, como todos os outros da minha vida, que - como todos os anos também - teve coisas boas e coisas más, que tentei fazer com que as más não me sufocassem e as boas se perpetuassem, e que desejo que 2015 seja para todos um ano excelente!
É isto, não é?

Bom Ano 2015, leitores caríssimos!

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Questão verdadeiramente fracturante

Estava a fazer a mala e assaltou-me esta dúvida: collants pretos ou collants pretas? 
Uso indiscriminadamente o masculino e o feminino. Mr. Mirone está farto de me gozar, diz que tenho de me decidir, que esta bem podia ser a minha resolução de Ano Novo, escolher o género para collants e manter-me fiel à opção feita.
Estou a um passo de levar calças, digam de vossa justiça.




E escusam de vir com a conversa de que só usam meias, que não me enganam. Não só é uma treta ter de usar cinto de ligas (aquela "cola" que as meias trazem é fraquinha), como de Inverno gosto bem do meu aconchego, tudo tapadinho e compostinho, como Deus nosso Senhor manda, agora cá aragens frescas no derrière...

Espero não me arrepender

Hoje fiquei em casa com a Mironinho mas preciso de fazer duas ou três coisas e pedi-lhe que de manhã me deixasse estar no computador que de tarde brincaria com ela. Perguntou-me se podia usar as minhas maquilhagens, "vá lá, só pom-pom (blush) e batom". Acedi. Voltou atrás "e sombra?". Se for clarinha. "e risco nos olhos?". Só com lápis... "E posso usar os teus lenços?". Só o que está na cadeira.
Está há uma boa meia hora calada e eu já só preciso de mandar mais um e-mail. Até tenho medo de a ir espreitar.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

sábado, 27 de dezembro de 2014

Manual de sedução e cortejamento para solteiros - Capítulo III

Jovem solteiro que, apesar do Pijaminha à mesa, do pedido para levar o lixo, do comentário dos Porsches na garagem, foste bafejado pela sorte e pelo espírito natalício, de tal forma que a solteira que tentas seduzir te atendeu o telefone, não comeces por lhe contar que o Pai Natal te trouxe mais um cavalinho, desta vez um Ferrari de um conhecido que estava com problemas de dinheiro. Se do outro lado, em vez de excitação e entusiasmo, ouvires "Olha, eu sou mais pelos touros, que é o meu signo, por isso, a não ser que tenhas um Lamborghini cor-de-laranja*, não me impressionas", não fiques a matutar na cor do carro.


*Juro pela minha saudinha que quase me cuspi na parte do Lamborghini cor-de-laranja.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Então,minhas lindezas?

O Natal foi bom?
Esperam que vos fale das crianças, da família, da comida, dos presentes, da mensagem do Santo Padre?
E se vos falar antes de sustentabilidade? Puseram os olhos nos caixotes do lixo das vossas ruas?

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Em 3, 2, 1

A caminho do último jantar de Natal e oficialmente em modo "Natal meets casamento cigano"!
Já vos contei que o meu irmão faz anos no dia 24 e que, como tal, a Consoada começa logo ao almoço? E que o meu sogro faz anos a 27 (como faria a minha avó) e que, por isso, a Consoada só acaba depois dessa data?
Só a ideia de tantos almoços e jantares tira-me o apetite (a ver se só volta lá para meados de 2027).

A caminho da noite mágica #21

Silent night....

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Post intencionalmente requentado (não fosse perder-se no meio do buzz na época devida)

Mas porque é que em nenhuma das wish lists da fashion-bloga, ou coisa que o valha, está um espelho de parede?
É que, parecendo que não, aquilo de tirar fotos no elevador é um nadinha "coise" (falta-me a palavra).

Quereis adultos a cantar Christmas Carrols na rua, quereis?

Então ponham os olhos nisto, um clássico que não dispenso todos os anos e que ando a cantarolar desde que apareceram as primeiras decorações de Natal nas lojas, desde Outubro, portanto.


O mood está a fugir-me como areia fina por entre os dedos

Sou só eu a achar que o "A todos um bom Natal" só é tolerável (ainda assim, dispensável) se cantado pelo Coro Infantil de Santo Amaro de Oeiras, que cantado na rua pelos funcionários de uma imobiliária, desafinados e de gorro de Pai Natal na cabeça é só constrangedor?

A caminho da noite mágica #20


sábado, 20 de dezembro de 2014

Por onde é que começo

Pelas perguntas de Judite de Sousa ou pelas respostas do advogado de Sócrates?
Era muito mais feliz antes das boxes com gravação automática.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Mr. Mirone, temos de conversar

Sempre tive um carinho especial pelos "petit noms" adoptados pelos casais entre si. Carinho esse que é proporcional à tristeza que me invade por nunca ter tido um, trato Mr. Mirone pelo nome próprio, e o mais que ouvi dele, além do meu nome próprio, é um esporádico Titizinha. Os meus pais e sogros tratam-se pelos nomes próprios, irmãos e cunhados idem, já os meus avós o faziam.
Lembro-me de um casal de vizinhos que se tratava por fofo e fofa, as reuniões de condomínio eram verdadeiramente fofuxas. Conheci namorados que se tratavam por bebé, amor, amorzinho, querida, outros, sim, já me cruzei com mais que um casal que se trata por nino e nina. Já conheci uma faneca casada com um homem, umcasal boneca e boneco e uma princesa casada com um meu rei. Ainda assim, nenhum batia o clássico 'mor. Eu, tristinha, sem petit nom, nã achava bem nem mal, cada um sabe de si e Deus sabe de todos. Mas a minha vida mudou, e exijo um petit nom igual aos do amigo de Mr. Mirone com quem jantámos ontem.
Mr. Mirone, se me estás a ler, é "Anjo", a partir de hoje quero ser tratada por anjo. Não é meu anjo nem anjinho. Simplesmente Anjo. "Anjo, viste a minha chave?". "Anjo, a que horas chegas?"
Prometo igual tratamento. Pensa nisso com carinho, sim, Anjo?

A caminho da noite mágica #19


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Mãe, acho que descobri quem é o pai Natal!

Ele hoje foi à escola dar-nos presentes e eu vi que a barba era postiça e por baixo tinha barba castanha. Acho que é o pai do Celso Armando*!

*O menino tem um nome lindo, descansem que não se chama assim

Att: criatura que precisou que o interlocutor lhe dissesse duas vezes que o pai morreu, para perceber a gravidade da situação

Qual foi a parte de "o meu pai morreu" que não percebeu da primeira vez?
...
Para si, às colheradas, de manhã à noite:

Pedra no meu sapato

Chegando a hora de comprar casa a pessoa pensa em tudo e mais um par de botas, na localização, na escola que os filhos hão-de frequentar, no trabalho, nos acessos,  nos serviços e comércio, nos espaços públicos envolventes, na qualidade da construção, na exposição solar, no tamanho das divisões e, lá para o fim da lista, pensa na cor da cozinha. E eu que nem sou pessoa de sonhar com cozinhas, lá sonhei que uma cozinha branca é que era. Pois que os meus sonhos se tornaram realidade. Encontrei a minha cozinha branca, com paredes brancas, armários brancos, louças brancas, mas quem se lembrou de lhe pôr chão branco merecia ficar a vida inteira de vassora e esfregona na mão.
Que camadão de nervos senhores! Perco anos de vida por causada limpeza do chão da minha cozinha.

Sim, comprei um tapete, mas aquela bodega enrola-se debaixo dos meus pés (e, tal como o chão mais escuro, não impede as migalhas e pingos de cairem).

A caminho da noite mágica #18

Familias felizes têm animais felizes.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Vim almoçar a casa

Se vissem o carinho com que a minha sala foi redecorada até se emocionavam.
- Dona Mirone, pus-lhe estes naperonzinhos castanhos nas costas dos sofás que é um perigo ter sofás claros assim sem protecção. E pus também na mesinha do café para não se riscar. Não sei se tem outros que goste mais de ver, mas não quis estar a abrir as gavetas...


Nota da redacção - Os naperonzinhos são "runners" que usei ontem como toalha de mesa e que em vez de guardar na gaveta deixei em cima do aparador.

A caminho da noite mágica #16

Será um pássaro? Um avião? Não, é o Natal que se aproxima a passos largos!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Mas isso se calhar sou eu que estou a ver mal...

Ó menina, da próxima vez que as tirinhas depilatórias não a satisfizerem, em vez de ir massacrar a pequena da caixa do supermercado e depois o gerente, para no fim o gerente confirmar o que lhe disse a menina da caixa e lhe explicar que não vai aceitar a sua devolução, que o produto se encontrava à venda sem defeito e em perfeito funcionamento, se calhar queixava-se directamente à marca, e por escrito, que tem sempre outra segurança, fica a dica. É que parecendo que não, os outros clientes gostavam de ser atendidos antes de ganharem varizes.

DIY da semana - Baking with Mirone

Olá, leitores devotos.
Agora que o tempo fresco pede tardes no sofá a bebericar uma infusão quente e a saborear scones fumegantes, trago-vos a minha receita especial, que testei um destes domingos ao fim da tarde.

"Scones fumegantes by Mirone"

Ingredientes:
1 embalagem de preparado para scones
Manteiga (o que manda na embalagem)
Ovos (o que manda na embalagem - acho que usei 1)
Leite (O que manda na embalagem)

Leia as instruções no verso da embalagem com atenção.
Proceda de acordo com as mesmas.
Leve os scones ao forno.
Feche a porta da cozinha.
Sente-se no sofá da sala e embrulhe-se numa mantinha quente a ver as suas séries favoritas.
Levante-se para verificar se os scones estão cozidos quando se lembrar que aquele piiiiiiiipiiiiiiii que ouviu há pouco é bem capaz de ter sido o alarme do forno.

Desfrute!





A caminho da noite mágica #15

Feliz Natal, pessoas!


Um onirócrita ao balcão central, um onirócrita ao balcão central!

É que nem ando muito cansada e o último filme de animação infantil que fui ver foi o dos pinguins de Madagáscar, mas preciso mesmo de perceber o que me fez sonhar uma noite inteira com um novo filme de princesas da Disney com banda sonora do Tony Carreira. 
Mais, como é que eu faço para tirar a voz do campeão da Meo Arena com arranjos de orquestra sinfónica a cantar "Mataaaaaaaste-me, o que é que eu vou fazer da minha vida?"?


sábado, 13 de dezembro de 2014

Estou quentinha e confortável

Quando puder parar de fazer refresh nos vossos posts, agradeço que avisem...

E perguntam vocês, leitores dedicados

Ó Mirone, quanto tempo demora trocar um cartão de telemóvel?
Fácil, facílimo, é canja, canjinha. Abrir os telefones, tirar os cartões respectivos, introduzir um cartão no outro telefone, descartar o cartão deste último, e fechar os telefones. Cinco meses e meio, mais coisa menos coisa.
Cinco meses e meio?!
Sim, cinco meses e meio, o tempo que passou desde que no aeroporto me lembrei que tinha deixado o telefone em casa e ter de comprar ali mesmo um telefone de refugo e uma segunda via de cartão SIM para não ficar uma semana incontactável e me fartar das fotografias reles que ele tira. Em tudo o mais não senti grande falta do meu coreano.
Vamos ver se ainda me lembro como é que aquilo trabalha.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

E então, pessoas bonitas por dentro e por fora, vamos a um post sobre a minha relação com a Mironinho?

- Mamã, ser bonito ou ser feio não interessa. E ser gordo ou ser magro também não. E ser alto ou ser baixo. E os cabelos e a pele também não.
- Pois não, o que interessa é ...
- O que interessa é que ninguém tem uma voz igual à tua.



É que nem precisam de hot spot

Os antigos administradores do BES queimam-se uns aos outros. Ui, que calorzinho bom se deve ser...

A caminho da noite mágica #14


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Doenças cardíacas - prova de esforço

A Mironinho para o caixa do supermercado, enquanto eu ia pondo as compras no saco:
- Senhor, senhor.
- Diz lá, pequenita...
- Senhor, olhe, estas caixas, está ver estas caixas?
(A Mironinho aponta para as caixas de preservativos. Eu e o caixa trocamos olhares de pânico)
- O que têm essas caixas?
- Têm muito pó. Pode chamar um funcionário de limpeza à caixa no microfone?

Ainda não foi hoje

... que comi castanhas assadas. Não por falta de ocasião, que até passei por uma assadora à hora de almoço, mas não me apetecia ficar com as unhas encardidas.




Dão-se alvíssaras

A quem encontrar um casaquinho de malha "verde-Natal" de uma lã boa, que não faça muito borboto, tamanho 6 anos, em Caminha, Faro, na Malveira ou na Covilhã, não interessa, digam-me que vou lá.

Se mais alguém me mandar ver na "Lã d'oiro" expludo! Já vi, e aquilo é mais azul que verde.

(fui, vou dar mais uma volta às lojas)

A caminho da noite mágica #13


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Agora e na hora da nossa morte


Hoje agradeci a benção que é ter fé, acreditar. Hoje agradeci a fé dos meus pais. Hoje despedi-me de uma pessoa que nunca acreditou. Hoje não partiu, ficou. Intimamente, desejei que partisse e pedi-Lhe que a recebesse.


A caminho da noite mágica #12


terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Só por curiosidade...

... há alguma distinção equivalente às estrelas Michelin para decoração de restaurantes e casas de pasto?
A nível de, portanto, sim senhor, tudo muito bem, nada a apontar, antes pelo contrário. Agora se falamos de realmente, pronto...


Já agora, o Michael Bolton ainda tem cabelo comprido? Mr. Mirone diz que não, que já cortou o cabelo há uma série de anos, mas eu quase jurava, fosse eu pessoa de juras, que ele e a a sua cada vez menos farta cabeleira loira almoçaram ao meu lado.

A caminho da noite mágica #11

Para começar bem a semana de quatro dias.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

No meu sapatinho #4


Diz que tenho um post para fazer

Diz que sim.

Como é que é, pessoas fantásticas que me lêem, querem saber coisas da minha vidinha, querem?

Pois então eu conto.
Depois de ser operada ao túnel do carpo a minha dona Roberto decidiu reformar-se, que estava cansada, que a idade já pesava, que tinha tido um netinho... Teve o netinho, pois teve, mas eu é que fiquei com o menino nos braços. Onde é que vou arranjar quem me trate dos "jardins proibidos", aquele lugar "onde só vai quem eu quiser, onde sou senhora..." (não sei mais, arde-me a úlcera de cada vez que ouço a música do Paulo Gonzo), que é como quem diz o château Mirone? 
Depois de uma operação de casting nunca antes vista, encontrei a pessoa certa. Esteve o mês passado à experiência e ficou. É um pequeno furacão, nunca se cansa, engraçada que só ela, trata-me por Frau Mirone e faz as melhores sopas de todo o sempre!

A caminho da noite mágica #9



quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Palmier, está melhor assim?

Tu vê lá, que eu não quero o meu pombinho a parecer mal na bloga.
Pus-lhe um laço, golinha, meias pelo joelho e, evidentemente, um coelhinho. Falta alguma coisa?



(contratei o fotógrafo da Sara)

Palmier, já estou a treinar o meu pombo!

Ah pois, se é para alinhar no PPC, é para fazer tudo comme il faut.




No meu sapatinho #3

Para casais apaixonados.

A Caminho da noite mágica #8


Um extintor?!

Ontem os meus sogros vieram jantar cá a casa.
À saída, sem razão aparente, o meu sogro pergunta:
- Amanhã estás cá por volta das oito?
- Conto estar, porquê?
- Tenho um extintor para te dar e passava aqui quando saísse...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

No meu sapatinho #1

Porque este blog pretende ser, cada vez mais, um blog de referência, fonte de tendências, pote de diversidade, não podia deixar de partilhar convosco alguns presentes que tenho visto por essa net fora e que o senhor das barbas podia muito bem deixar no meu sapatinho.
Para inaugurar a rubrica, proponho um presente "statement", assim uma espécie de colar de peshisbeque e plástico tamanho XXXXXL (quanto mais penso no presente que vou mostrar mais feliz me parece a comparação). é um bocado contra-corrente, bem sei, mas já sabem que de mais do mesmo está a blogosfera cheia, não muito obrigada, não é?


Funciona assim.

Até tenho medo de me meter no carro e conduzir

Por causa da conjuntivive hoje não usei lentes de contacto e estou com os óculos postos. Entretanto, por causa da noite terrível que passei, já bebi o dobro dos cafés que costumo beber.
Não sei se é dos cafés, se é da gripe, mas sabem aquela sensação de ter o coração a bater na pálpebra, sabem? 
As minhas pálpebras estão bem e recomendam-se. Inchadas, descaídas, rosadas e lacrimejantes, como se querem quando uma pessoa está engripada.
O problema é que "sinto" o coração a bater nas orelhas. Sim, nas orelhas, onde assentam as armações dos óculos. E a coisa é tão ao tão pouco grave que chego a senti-los (aos óculos) saltar enquanto vos escrevo estas linhas. A sério, tenho os óculos aos saltos e daqui a pouco tenho de ir buscar a miúda à escola. Será seguro?
Já vos aconteceu? Como é que os faço parar?

Só a mim é que ninguém me "compriênde"

Hoje estou verdadeiramente carecida de quem me embrulhe em casa, numa manta quentinha, me faça um chá e me traga lenços. 
Começou ontem como uma conjuntivite e uma ligeira fotosensibilidade associada. A meio da noite vieram os arrepios (febre) e o nariz entupido. Esta manhã acordei num estado calamitoso. Dói-me o corpo todo, tenho a sensação de ter estado no Pingo Doce naquele dia dos descontos, parece que me passou uma manada de bisontes por cima. 


De maneira que é isto, pessoas que se cruzem comigo hoje, tenham um bocadinho de "compriênção", pode ser?

A caminho da noite mágica #6


sábado, 29 de novembro de 2014

Ganhasse eu um milhão de euros por cada vez que tenho de voltar a casa da minha mãe para ir buscar a carteira com as chaves de casa

(sim, eu não me esqueço da chave de casa em casa da minha mãe, esqueço-me mesmo da carteira toda), ganhasse eu o tal milhão, em vez de viver num comum apartamento, viveria num luxuoso appartement no 16. éme, com conciérge para me abrir a porta.

Mas as cores combinam...

- Mironinho, está sol, queres ir andar de bicicleta?
- Siiiiiiim. Posso ser eu a escolher a roupa?
- Podes, desde que não sejam saias ou vestidos.

Dez minutos depois, eta!, confiança nos píncaros!
-Mamã, estou linda ou muito linda?

(camisola interior de manga comprida, polo de manga curta, camisola de alças por cima do polo, calças de ganga, asas de joaninha, nariz de palhaço "operação nariz vermelho" e laço xl na cabeça. Botas numa mão, casaco de capuz na outra).

Se prometer que não abre o casaco deixo-a ir assim.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Nostalgia

Sabem de que é que tenho mesmo saudades dos natais da minha infância, sabem?
Das iluminações de rua, pirosas, excessivamente coloridas, em praticamente todas as ruas e avenidas. Estas iluminações mixurucas, ainda que mais sofisticadas, que a contenção orçamental nos impôs são uma treta.



Sim, tenho sorte, à excepção dos avós, que ainda assim conservei até há pouco tempo, tudo o resto  se mantém intocável.

Hás-de cá vir pedir-me outra vez para te matar o aranhão, hás-de!

Há uns tempos, mudou-se para um T1 vago ao lado do meu uma rapariguinha nova com ar de instrutora de fitness, bonita, bom ar, toda ela muito fit, sempre vestida de "roupas de treino", muito justinhas e pequenas. Uma vez bateu à minha porta a perguntar onde eram os contadores da água. Passados uns dias a perguntar que tipo de gás tinha o prédio. Sempre de leggings justinhos e tops desportivos, muito fresca, muito fit.
Há umas duas semanas, estava a sentar-me à mesa para começar a jantar, tocou à campainha lavada em lágrimas e a tremer da cabeça aos pés.
- Ó vizinha desculpe, mas eu tenho pavor de aranhões e tenho um em casa. Não se importa de ir lá a vizinha ou o seu marido matá-lo?
(Deves pensar que vou deixar que o meu marido te vá matar o aranhão a casa, deves. Por outro lado, se pensas que me vais roubar um rim, prepara-te, podes ser muito fit mas eu vou dar luta).
- Está bem, eu vou. Mr. vou só aqui ao lado matar um aranhão, venho já.
Fui, matei um aranhão mínimo, praticamente daqueles que dizem que é sinal de dinheiro, mas enfim, cada um tem medo do que tem. Eu fico em pele de galinha só de ver borboletas da traça, tenho medo que me ponham ovos no cabelo e acorde com ele todo comido das traças (eu sei que é ridículo - e impossível - mas é uma fobia como as outras, escusam de gozar, é mais forte do que eu).
Há dias fui jantar fora. Adivinhem quem era a empregada que nos atendeu? Exactamente, a vizinha fit. Olhei para ela, ela olhou para mim, fizemos os pedidos e eu fiquei a matutar, hummm, conheço esta cara. Quando veio levantar os pratos para a sobremesa perguntei-lhe se trabalhava ali há pouco tempo porque estava a reconhecê-la mas não sabia de onde. Disse-me que sim, que era nova ali, que antes tinha trabalhado num outro restaurante. Senti-lhe um certo desconforto e não insisti. Mas não, não era do outro restaurante que a conhecia. Andava há dias a pensar no raça da empregada.
Estava aqui a escrever o post anterior quando se fez luz. A empregada do restaurante é a minha vizinha. Custava muito ter dito que era ela? Há-de cá vir bater à porta outra vez, há-de.

Se isto fosse um teste da Ragazza, que tipo de namorada seria?

5 factos que me ocorreram de seguida durante a hora de almoço:

1. O Mini Countryman não é muito bonito.
2. Xiiii, Amor Electro, deixa-me lá voltar à TSF.
3. Carne de porco à alentejana sem pickles não tem jeito nenhum.
4. Antigamente segunda-feira era feriado.
5. Custava muito ao polícia pedir à dona da loja para tirar o carro, ainda por cima está identificado?

Afinal os chineses e norte-coreanos é que têm razão, a internet é muito perigosa!

Alguém na minha curta lista de amigos facebookianos partilhou o link de uma petição pública a solicicitar a abertura de uma Primark.
Primeiro pensamento: Mas o que é isto?!
Não, não é por ser a Primark, a minha reacção seria a mesma se a petição pedisse a abertura de uma loja de artigos de luxo. Chocou-me a partilha vir de uma pessoa que julgo bastante sensata e ponderada. O que me chocou ainda mais é que se desvirtue um instrumento que devia ser usado para dar voz a causas verdadeiramente importantes.
Entretanto fui espreitar a petição. Menos mal, nem tudo está perdido, de Agosto para cá ainda "só" recolheu 49 assinaturas.





A caminho da noite mágica #5

Com votos de um dia muito feliz!


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Bons sonhos, gente gira!


Dúvidas, a vida dela são só dúvidas

Un destes dias, enquanto assistiamos ao noticiário:
- Mamã, como é que estes senhores sabem as notícias todas?
- Então, é o trabalho deles, investigarem até saberem as notícias que depois nos vão dar.
- Mas todas, todas? Sabem mesmo todas as notícias?

Como é que eu lhe explico que não, que muitas vezes não fazem a mais pálida ideia do que estão a noticiar, que outras vezes não investigam e, pasme-se, que às vezes até as "inventam"?

Está tudo pela hora da morte, filhos!

A pessoa habitua-se à modernices dos computadores, manda tudo por correio electrónico, uma vez por outra lá usa o correio tradicional, para um ou outro RSF,  meia dúzia de registos, que já conta que sejam mais caros, ou compra já os envelopes selados, que quando pára para ver com olhos de ver os preços dos selos postais tem uma pequena síncope.
Sabem quanto me pediram para enviar um envelope com 8 gr em correio nacional normal?

E a palavra do dia é ...

...Malandrice.




A caminho da noite mágica #3

Um docinho capaz de vos causar cáries só de olhar.

Festas felizes!

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Sabem aquela anedota

... da escritura que estava marcada para as 9.30 da manhã e o representante do banco faltou porque adormeceu?*
Não sabem? Deixem estar, também não era uma anedota.







*Sim, adormeceu. Não "teve um furo", não teve de ir às urgências com o filho, foi mesmo assim, duas horas depois da hora marcada lá se fez a escritura e, entre dentes e a sorrir, lá se confessou "ehpah, deixei-me dormir..."

Kimberly Sue

Ligou-me agora o meu pai a convidar-me para jantar lá em casa. Está cá um amigo de infância, emigrado nos Estados Unidos há mais de 40 anos, que gostava de nos rever.
- Lembras-te dele, daquele vizinho da avó. 
- Então não lembro. Lembro-me melhor das toilettes das filhas. 
- Está bem na vida, o António. Formou-se lá, continuou ligado à investigação e hoje corre o mundo a fazer palestras. Casou com uma americana, teve filhos, olha, a Andrea até casou com um senador, também já tem netos... Ele bem me convidou para ir com ele, mas eu tinha casado há pouco tempo e tinha aquela ideia que o meu lugar era aqui. Sabe-se lá, se tenho ido...
- Pois é, sabe-se lá. Olha eu, Kimberly Sue, as minha irmãs, Jessica Daisy, Stephany Pam, o meu irmão Bobby Joe... Estás bem a ver a sorte que os teus filhos teriam se tivessem nascido nos Estados Unidos? Estás a ver aquilo de que nos privaste?

A caminho da noite mágica #2

Aqui fica o docinho de hoje.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Pessoas do direito, pessoas das estatísticas, esclareçam-me aqui uma coisa, se fizerem favor

Não existem em Portugal mais presos "preventivos"? É que a julgar por algumas reacções consternadas a que estou a assistir na tv parece que é a primeira vez que um arguido fica a aguardar o decurso do processo em prisão preventiva.

Ando aqui roidinha para contar uma piadola fácil

Tenho um irmão que ainda está a estudar. Ontem, antes de sair, explicou à minha mãe que esta semana ia ter umas despesas extraordinárias e perguntou se dava para lhe fazer um reforço de tesouraria.
- Agora não tenho aqui dinheiro que chegue, mas amanhã faço-te um depósito ou uma transferência.
- Então deixa estar, que da última vez que a mãe fez umas transferências para a conta do filho estudante parece que isso deu para o torto.

Tão espirituoso, o traçãozinho da ninhada.

Always look at the bright side of life

Almoço familiar em que se alinhavava a agenda festiva, se a consoada com os pais e o almoço com os sogros, se o inverso,  em casa deste ou daquele, quem faz e quem leva o quê. 
- Mamã, a Marisol nunca teve um Natal de ir a casa dos avós e dos tios.
- Pois é, os avós vivem noutro país, muito longe. Mas qualquer dia ela vai lá ou os avó vêm cá, vais ver.
- Sorte a da mãe dela, não tem de estar 40 dias a fazer comida.




A caminho da noite mágica #1

Pois é, estamos a um mês da noite pela qual muitos, miúdos e graúdos, esperam todo o ano. Em vez dos famosos calendários do advento, com janelinhas e chocolates, este blog propõe-vos outro tipo de docinho. Todos os dias, até ao Natal, um miminho gostoso que encontrei por essa net fora. 
Iniciemos a contagem!

Se me quiserem dar cabo dos agendamentos também podem muito bem pôr-se a googlar imagens. Há muitas mais de onde esta veio.

sábado, 22 de novembro de 2014

Não há fome que não dê em fartura

Andava eu triste e amargurada, sem a minha novela favorita (a comissão dos submarinos), aguando pela nova que estreou a semana passada (a comissão do Bes), e sai ainda a tempo do Natal um blockbuster de todo o tamanho ( o filme do Sócrates). Oh pah, que bom! Juntando-lhe a série dos vistos gold e umas coisas sobre o BPN que andam a dar na Sic, nem sei para que lado me vire.
Se não aparecer nos próximos tempos, já sabem o que ando a fazer.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Se dúvidas houvesse

... de que este blog é lido por gente que manda, hoje ter-se-iam dissipado.
Depois do meu desabafo, aqui, a decisão foi tomada. Afinal Ricardo Salgado vai ser ouvido já no início de Dezembro.

Sou como sou todos os dias

- Mamã, estive a pensar e já sei de que é que me vou mascarar no carnaval.
- Mas tu nem gostas de carnaval... E é a escola que escolhe o tema.
- Nas férias. Estive a pensar e vou mascarar-me de anjo. Sabes porquê? Porque sou muito meiguinha.
- ... (tá bem abelha) ...
- Sou meiguinha quando quero.
- E quando não queres?
- Então? Quando não quero sou como sou todos os dias.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Por acaso és polícia?

E seguia ela feliz na sua vida, numa rua estreita de sentido único, quando surge à sua frente um carro em contra-mão. Travão a fundo. Abre a janela, impregnada da melhor das intenções, como se espera na época, e " senhor, ó senhor, não pode passar, olhe que está ali um sinal de sentido proibido". Já o senhor, impregnado de tudo e mais um par de botas, quem sabe até de alcoól, devolve o conselho com um soberbo "E por acaso és polícia?".
De maneira que se  chegou para o lado, subiu o passeio, deixou o senhor passar e seguiu feliz a sua vida, a pensar onde poderá arranjar um daqueles autocolantes que a protejam destes loucos.

Segurança rodoviária 1o1

Conduzir com cautela, respeitar limites de velocidade e sinalização? Evitar manobras perigosas? Cumprir o código da estada? Adaptar o tipo de condução às condições meteorológicas e do pavimento?
Nada disso. Querendo estar a salvo na estrada nada é tão eficaz como um autocolante com os dizeres "Jesus Cristo Salvador" num parachoques muito batido e esfolado. Se o carro ainda anda e o seu condutor se apresenta ileso há ali, seguramente, mão divina.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Sou sua fã, gosto muito de o ver trabalhar

Mudei a box da televisão em Agosto, a que tinha ainda não "viajava no tempo". O levantamento da antiga já esteve agendado três vezes. Em nenhuma delas apareceu quem o fizesse. Em todas elas tive de ser eu a telefonar e a pedir um reagendamento. O último agendamento foi feito para a sexta-feira passada. Faltaram. Nem recado nem mandado. Desta vez não disse nada.
Acabei de receber uma chamada de um senhor A R."É a dona Mirone? Olhe estou a passar na sua rua, está alguém em casa que me abra a porta para levar o equipamento?"

E de que outra fruta gostas, Mirone?

De maçãs, gosto de maçãs e nunca faltam em minha casa.
Não me lembro quando ou como comecei a gostar delas, mas tinha pouco mais de três anos quando o mundo, o meu mundo, leia-se a minha família, ficou a conhecer a minha paixão pelo fruto do pecado original.
Estávamos nos primeiros dias de Junho. Nesse dia mudámo-nos para a casa que os meus pais mandaram construir. A minha mãe preparou um jantar especial e convidou os avós e tios. Éramos nove à mesa, pareciam-me tantos. Hoje somos, só "os de casa", catorze. O dia era "de festa" e havia várias sobremesas doces. Mas eu, que tinha feito fita para comer a sopa e os legumes, fui sentenciada logo que pedi pudim: "quem não tem fome para a sopa e os legumes, também não tem fome para sobremesa. Podes comer uma peça de fruta". Pedi uma maçã. O meu pai descascascou-ma, fatiou-ma e eu comi-a com prazer. "Quero outra", disse. "Não, a maçã era grande, não comes outra, que ficas mal disposta". "Mas eu quero maçã!". Abri a goela e ali encetei um tremendo braço de ferro. Queria maçã e tudo faria para a ter. O jantar acabou, os tios e avós sairam, a mãe tratou da louça e o pai deitou-nos. "Quero maçaaaaaaaaaã!", dizia com boca de sapo. Lembro-me de estar cansada na cama, de lutar contra o sono, mas insistir, haveria de comer mais uma maçã. "Quero maçã!". Em casa ninguém dormia, nem os pais, nem eu, nem a minha irmã. Falaram comigo, mostraram-me porque não devia comer mais maçã, mas eu permanecia irredutível, queria maçã. Às duas da manhã, a minha mãe atingiu o seu limite, cansada que estava, foi à cozinha, encheu um saco de plástico com maçãs e pendurou-o na cabeceira da minha cama. "Tens aqui as tuas maçãs, faz o que quiseres, mas não quero ouvir mais um pio!". Diz a minha mãe que olhei para o saco, suspirei, sorri e caí num sono profundo, sem comer a maçã. 
Ainda hoje preciso de ter maçãs em casa, até posso passar semanas inteiras sem as comer, mas em minha casa tem de haver sempre maçãs e a estória do inidente das maçãs é um clássico nas reuniões de família. "Então, Mirone, vai uma maçã?".

terça-feira, 18 de novembro de 2014

"Parece que o mundo inteiro se uniu p'ra me tramar"

Quando Deus criou o mundo, a mim e à fruta, fitou-me nos olhos e disse:
- Mirone, aqui tens. É fruta, fresca e doce, come a que quiseres. Mas para que nunca te esqueças de que Eu sou Eu, vou fazer com que algumas peças de fruta sejam especialmente chatas de comer.
- Assim seja, meu criador.
Uns anos mais tarde, muitos, pôs-me no mundo. Tudo muito bem. Uvas com grainhas gigantes, é na boa, não me aborrecem e até já as há sem elas. Pêssegos maduros, controladíssimos, na pior das hipóteses arregaço as mangas e como-os debruçada sobre o lava louças. Mangas docinhas, docinhas, das que apetece rapar o caroço, idem. Melancia, calha bem, tem muitas sementes mas não moro de amores. Romã, como uma vez por ano. Cerejas, não preciso de quem me separe os caroços...
Agora as anonas, meu Deus, porquê? Tinham tudo para ser o meu fruto favorito, são" de se comer rezando", como dizem os brasileiros, achas mesmo que me esqueceria de Ti? Foi preciso pôr-lhe tantas sementes? 

Sonho ou realidade?

Tive agora um flash dos irmãos Guedes vestidos de pinguim e cantar e a patinar no gelo. Tenho quase a certeza de que os vi na televisão.Terei sonhado?

Manual de sedução e cortejamento para solteiros - Capítulo II

Solteiros de Portugal, dando-se o caso de, num jantar de aniversário de um amigo comum, voltarem a encontrar a solteira alvo do vosso interesse, solteira essa que, com o episódio do pijaminha muito presente na memória, após as vossas investidas vos explica que não tem disponibilidade emocional para se envolver convosco, e que ultimamente se sente melhor com pessoas com outro tipo de interesses, nunca, mas nunca mesmo, por muito que vos tenha custado aquele "chega p'ra lá", nunca digam que por muito interessantes que os novos amigos sejam, são vocês que têm dois Porsche na garagem. E pedir desculpa no dia seguinte, explicando que foi a bebida a falar, não ajuda muito. Pior do que um menino de pijaminha cujos trunfos de sedução são os carros que tem na garagem, só um menino de pijaminha cujos trunfos de sedução são os carros que tem na garagem que não sabe beber *. **
Vá, vá, cabeça levantada, costas direitas, façam bom uso destas dicas e não digam que vão daqui. Às vezes parece que sou mais do que vossa mãe***.


*O facto de um desses Porsches ser branco frigorífico também não ajuda muito, disse-me a solteira.
** Cinema, ela gosta muito de cinema.
*** Precisando de ajuda para decorar a vossa casa, também posso ajudar.





segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Imagens que valem mil palavras


Porque deixei de ver telenovelas dos canais generalistas

Andam meses e meses a empatar, e nós a vermos como é que aquilo vai acabar desde o primeiro episódio, as histórias são, no fundo, sempre as mesmas e um bocado básicas, para depois, nos dois últimos episódios, acontecer tudo, muito atabalhoadamente, e a despachar o final mais que previsível.


(Começou a minha novela favorita, a comissão de inquérito parlamentar ao caso BES. Parece que o Ricardo Salgado só será ouvido lá para a frente, em 2015. É uma pena que se repliquem os vícios das novelas dos canais generalistas)

domingo, 16 de novembro de 2014

He loves me, yeah, yeah, yeah

Mr. Mirone deve gostar mesmo de mim. Na sua cabeça eu devo ser uma super mulher, mas muito melhor, só posso ser. Ora atentem:

Episódio 1: 
(Domingo, meio dia e dez minutos. Mesa marcada para a uma da tarde num restaurante a uns vinte minutos de caminho. Estou a acabar de me arranjar, na calma dos deuses, mais que dentro do tempo)
- Mirone, o meu pai ligou a perguntar se podemos ser nós a levar a minha avó. Ah, outra coisa, o C... (um cliente sul-africano) também me ligou a dizer que a mulher dele teve uma multa no metro mas ela tem o comprovativo de ter carregado o cartão e ela acha que eles disseram que lhe vão apreender o passaporte e ela nunca mais pode entrar em Portugal. Mas a mulher dele não fala português e o fiscal não falava grande inglês. Eu disse-lhe que tu lhe vês isso. Vou encaminhar-te o mail com o papel da multa que lhe deram e tu tratas disso enquanto eu vou andando com a miúda buscar a minha avó e espero-te lá em baixo. Dez minutos devem-te chegar, é uma coisa simples.
Foi buscar a avó, que mora duas ruas abaixo de nós, não demora mais de 5 minutos ir buscá-la, e entretanto mandou-me sms a dizer que já estava à porta de casa, para eu descer. Por acaso, ainda abri o mail para ver o que era. Mal entro no carro:
- Mandaste-me a reclamação para o mail? É que assim mando-lhe já e ele fica mais descansado.


Episódio 2:
(Domingo, sete da tarde, dia de jantar em casa dos meus pais, sempre por volta das oito)
- Mirone, o C... tem uns dias antes de regressar e queria ir ao Porto dois ou três dias. Fazes-me um roteiro para ele visitar? Uma coisa simples, tipo dia um, visitar isto, isto e isto com uma fotografia ou duas e uma descrição, Dia dois, visitar isto isto e isto. Se quiseres podes fazer também para Sintra porque ele até quarta ainda está em Lisboa. Manda-me isso para o mail para eu lhe encaminhar. É rápido. Fazes isso antes de irmos para casa dos teus pais?

Se isto não é amor e profunda admiração não sei o que é.

Para dar luz aos meus dias

A Sexinho anda meio desaparecida, olhem só o que eu "vi de passagem".





sexta-feira, 14 de novembro de 2014

A versão portuguesa do Shark Tank começa a ser gravada já este Dezembro

E hoje dava-me jeito ter uma empresa destas a operar em Portugal, até prescindia do anonimato.

A ver se passo no quiosque

No meu périplo matinal pelas capas de jornais encontrei uma entrevista do psicanalista Carlos Amaral Dias ao Jornal de Negócios, de onde salta para a primeira página "As pessoas da família Espírito Santo não são desta realidade". Estou curiosíssima. O que terá um psicanalista a dizer sobre as pessoas de uma família em concreto que possa interessar a um jornal económico? Ou o que leva um editor a fazer esta chamada de capa?

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Fosse este um desses blogs

Que fala e põe fotografias das compras que fez, ou um desses blogs que mostra as fatiotas dos filhos, ou um daqueles inscritos no sitemeter, seria certamente blog para rebentar com as estatísticas. Não o sendo, será apenas o modesto blog da mãe da miúda com mais pinta e estilo que conheço.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Blimey!

Ir na rua e, de repente, dar de caras com uma pessoa acabadinha de chegar de Timor. O mundo é mesmo pequeno.

Hoje é um dia triste

Sem a sua companhia os almoços na Portagem nunca mais serão os mesmos, Zé.

Imaginem que era o mau

Entretanto, ao fim do dia, fui controlar os movimentos bancários. Ó meus amigos, entre taxas, comissões e impostos que saem da conta de cada vez que uso o cartão, começo a duvidar de que a minha tenha ficado no Banco Bom. Se o bom me cobra tanto, nem quero imaginar quanto cobraria o mau.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Quais papas de aveia, quais muesli, qual carapuça?

Esqueçam essa ideia peregrina dos workshops.
Querendo fazer negócio com cereais ponham os olhos no The Ceral Killer Cafe. Um bar que das sete da matina às oito da noite promete servir 100 variedades de cereais diferentes, 12 tipos de leite (prefiro não saber, depois das versões  magra, gorda e meio gorda, soja, vaca, ovelha, cabra, búfala e burra, começo a ficar sem ideias...) e 20 topings. 

Post telegráfico, em tempo real e não publicitário

Por aqui a  Castros já instalou as iluminações de Natal e são iguais às do ano passado.

Entretanto, na Mironelândia

Um tio foi operado ao estômago. Coisa pouca, não se preocupem, uma ulcerazita que me anda a dar azia, dizia.
Já depois da operação, em conversa com o cirurgião e a enfermeira, a tia ficou a saber que a coisa pouca de que o tio falava era afinal uma cirurgia complexa, por isso tinha sido agendada para tão cedo. O paciente era de risco, hipertenso e diabético e os cuidados intensivos estavam de prevenção. Dois dias e dois terços de estômago a menos depois, que afinal a biópsia revelou que a ulcerazita era coisa feia que importava atacar quanto antes, falámos com o tio.
- Estou bem, não se preocupem e escusam de vir para cá visitar-me que isto não é ambiente para ninguém. O quarto é bom e o staff é atencioso, mas claridade é que me incomoda muito e não me deixa dormir. Já disse à tia que se não arranjar uma venda dos aviões que me traga a máscara de mergulho com uma cartolina preta que também dá.

Ainda serão efeitos da anestesia?

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Não é para me gabar

É só para dizer que fui recebida com fogo de artifício. Um pouco por toda a cidade... A pessoa até fica emocionada.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

A sério que não estou a fazer género

Detesto fazer malas! De-tes-to! Adio até não poder mais. Não posso adiar mais. Vou encher-me de coragem.

O problema das mulheres

Ou melhor, um dos problemas das mulheres... 
Melhor ainda, um dos meus problemas, que é de mim que falo, é, não sendo particularmente vaidosa, ter noção de que em certos dias não senhor, até nem vou nada mal de cara, pois que a maquilhagem até me saiu tão natural, parece que acordei assim bonita e, dizia eu, um dos meus problemas, tendo noção de que estou bonita é ter noção também de que estou sozinha em casa e tendo igualmente um espelho ao lado da máquina de café, começo de me mirar, vira de um lado, vira do outro, o cabelo está tão arranjadinho, este baton é mesmo bonito..., e a máquina rooooooonnnnn, e o café a sair... e as pestanas que ficaram tão soltinhas... roooooonnnnnnn, e a chávena a encher... e sacode o cabelo, hummm, que movimento natural... roooonnnn, e ai caraças que a chavena está a transbordar! Desligo a máquina, faço equilibrismo para não entornar o café enquanto bebo, vou pôr a chávena na máquina, saio a correr, a dizer que é bem feita que ninguém me manda ser vaidosa. É ir a um banco, depois a outro, pagar o condomínio, passar no sapateiro por baixo do escritório e sentar-me em frente ao computador, tudo isto antes das 10 horas, oh yeah, bonita e competente! 

Até alguém nos perguntar o que é isso castanho que temos no nariz. No nariz?! Temos alguma coisa castanha no nariz?! No dia em que nos sentimos invulgarmente bonitas? Logo vi, era bom demais para ser verdade.

(Sim, temos uma marca de café. A chávena ficou tão cheia que o nosso nariz, não sendo grande, acabou por tocar na espuma que ficou no bordo da chávena sem nos apercebermos).

Memória de elefante

Não tenho, penso que nunca tive. Não sou, por natureza, uma pessoa que memorize tudo com facilidade. Não esqueço uma cara, mas sou péssima a reter nomes, números de telefone. Recordo, como penso que recorda a maioria das pessoas, momentos que me marcaram, um detalhe, um pormenor, que grande parte das vezes nem tem nada a ver com o evento principal. Ou terá? Não me lembro.
Por exemplo, outra pessoa recordaria todos os segundos da primeira saída a sós com a sua cara metade. Eu tenho a vaga ideia de ter sido num restaurante pequeno, penso que russo, não era suposto ser um jantar romântico, deu-se o caso de nos cruzarmos na rua, de estarmos sozinhos e ser hora de jantar. Não me lembro o que tinha vestido, ou o que comi, que vinho foi servido, de que falámos, mas lembro-me de quase morrer de susto no wc e pensar que era uma injustiça, na flor da idade, ter um funeral de urna cerrada, pois que ficaria desfigurada depois do ataque que estava prestes a sofrer. Tinha entrado um gato pela janela da casa de banho, não sei há quanto tempo estaria ali, mas não conseguia sair e estava agitadíssimo, ou terá ficado quando abri a porta e acendi a luz. Não foi um espectáculo bonito de se ver não foi, gritei, pois gritei, muito e muito alto, não foi uma cena por aí além a nível de dignidade e postura, mas ao fim de vinte minutos acho que já não tremia.
A memória, a minha, prega-me partidas. Cega-me. Impede-me de ver o todo, traz-me fragmentos dispersos da realidade que a distorcem. Ontem cruzei-me com um tipo que em tempos fez parte do grupo alargado de pessoas com quem saía quando acabei o curso, um amigo, de um amigo, de um amigo. Sei o seu nome, que era um brilhante aluno de engenharia e pouco mais, apenas que num jogo de laser tag ganhou a fazer batota ( jogou o tempo todo com a mão a tapar o sensor onde era suposto ser alvejado). Mr. Mirone contou-me que depois da licenciatura ele foi fazer mestrado e doutoramento no estrangeiro, por onde ficou, e que hoje é uma sumidade na sua área. Para mim será sempre e apenas um batoteiro, e eu, que até joguei "limpo", dou comigo a pensar que sou injusta e rancorosa. 
A minha memória consome-me.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Olha, vai assim, não há-de ser nada.

Até estou com medo de escrever este post. 
Um lança apostas sobre o assunto da bloga para esta segunda feira e diz que até para encher chouriços é preciso ter arte. Bom, eu já aqui deixei uma receita de chouriços caseiros que vi num site de culinária. Não é, claramente, a isso que ele se refere.
Outra, diz que sim, que hoje é para falar naquilo das mulheres. Mas ela é irónica, não deve ser sobre isso que é para escrever.
De maneira que o post de hoje servirá apenas para vos levar a aventar o que escreveria o senhor director sobre a mulher que deixa a filha com os avós para acompanhar o marido numa viagem, sendo que para ele a viagem  será de trabalho, para ela será uma oportunidade para, durante uma semana, ser uma lady in leisure por terras de sua majestade.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Gostava de saber

Se a seguidora que me abandonou a seguir ao post do Tony Carreira o fez porque se sentiu ofendida ou se foi só guardar lugar para os concertos do Meo Arena?

Que camadão de nervos

Em meados de Agosto, através do site de uma companhia aerea não low cost, a pessoa faz a reserva de dois voos para a semana entre o Natal e o fim de ano. A pessoa paga 1534 euros à referida companhia. 
A 16 de Outubro a pessoa recebe um e-mail da referida companhia que nos informa que a companhia não pode assegurar os voos pelo que que a pessoa deve entrar em contacto com o departamento de reservas. A pessoa contacta o tal departamento e pede o reembolso da quantia paga.
No dia 18 de Outubro, sábado (?!), por e-mail, a companhia informa a pessoa que naquela data o reembolso foi feito pelo que a pessoa deverá verificar, junto do seu banco, se o valor foi efectivamente recebido.
No dia 22 de Outubro, por e-mail, a pessoa informa a companhia que não recebeu qualquer transferência e que no banco lhe disseram que não há nenhuma transferência pendente. 
No dia 23 de Outubro a companhia pede desculpa à pessoa pelo e-mail em que lhe dizia que a transferência relativa ao reembolso do valor dos bilhetes tinha sido feito, mas que na verdade o reembolso tinha sido autorizado no dia 18 (sábado?!), e que a transferência seria feita feita no prazo máximo de dez dias úteis posteriores à autorização. 
Passaram os dez dias úteis e da transferência, nem sinal. A pessoa tira-se de cuidados, dispõe-se a perder quase meia hora ao telefone, ouve "sei que vais chegar de braços abertos" em loop, mas não desiste, contacta a companhia que lhe pede desculpa, mas que este é uma assunto a tratar pela tesouraria, que não faz atendimento telefónico, e que trabalha em horário de expediente, que vai ser enviado um e-mail para saber o que se passa, mas que só segunda feira terão uma resposta para dar à pessoa.
Entretanto a pessoa teve de marcar voos noutra companhia. Os 1534 já não chegam para pagar os voos nas datas pretendidas.
É isto.

Era uma saia tão curta, tão curta, tão curta...

... que quando a dona andava se via a marcação das collants. Era uma saia tão curta, tão curta, tão curta, que quando a dona se baixou para dar um beijinho ao filho se viu que afinal eram meias, não eram collants.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Alguns homens saem para comprar tabaco e nunca voltam

Um dia Mr. Mirone chegou a casa sem tabaco, procurou nas gavetas, nos bolsos dos casacos, mas em nenhum lugar encontrou um maço de cigarros esquecido. Podia ter saído para comprar cigarros. Escolheu ficar. Nunca mais fumou. Já lá vão quase oito anos.

Na escola da Mironinho não se vai comemorar o Halloween

... mas ela já incorporou o espírito de vampiro.
Raça da miúda que às vezes parece enxertada em corno de cabra. Então não é que fez um valente chupão com a embalagem do iogurte? Agora está com uma bigodaça roxa de todo o tamanho. Na fotografia não se vê bem, mas nota-se perfeitamente o contorno da garrafinha.
Alguém sabe algum truque para disfarçar chupões? Quantos dias terá de andar com ar de Quim Barreiros meets Cantiflas?

Dúvidas que, embora profundamente carecida neste preciso momento, não me tiram o sono

Senhoras que usam vinte camadas de máscara de pestanas, como conseguem abrir os olhos? Ou é uma espécie de halterofilismo para as pálpebras?

Também não era mal pensado

Ganhar o Euromilhões sempre que fico sem Tv, Net e telefone de cada vez que um vizinho faz uma instalação. Não liguei logo para o apoio a cliente, contra as indicações de Mr Mirone, preferi esperar, podia ser uma varia temporária e daí a nada estaria tudo a funcionar. Não era, tive de recorrer ao apoio a cliente.
A televisão e net já funcionam e Mr Mirone, que fez um zapping de teste, deu com o Tony Carreira na RTPMemória. Para me castigar escondeu o comando.
Não sei se um euromilhões chega.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Homessa!!!

Entretanto, por causa do euromilhões, dizia eu:
- Se me calhasse o euro milhões fazia uma lista e era um milhão para ti, um milhão para ti, um milhão para ti, uma milhão para Fulano, um milhão para Beltrano, um milhão para Sicrano, mas avisava logo, está aqui o vosso milhão, agora não me peçam mais nada!
- O quê, davas o mesmo a mim que davas a Beltrano?! Sinceramente, sempre pensei que me desses mais.
- ?!!!!!! Mas olha lá, por acaso ganhei alguma coisa?  Só por causa das tosses já não levas nada!

As cadelinhas apressadas têm cachorrinhos cegos

Que é como quem diz que as galinhas apressadas têm pintainhos carecas.

Senhores jornalistas, o prémio chorudo do euromilhões que foi atribuído na semana passada a um apostador português tem noventa dias para ser reclamado.
Não vos parece exagerado fazer notícia, ao fim de dois desses noventa dias, do facto de o prémio ainda não ter sido reclamado?
Dêem tempo ao tempo, deixem o apostador respirar.


Olha, faço sopa

Por causa das aulas de inglês a Mironinho anda toda entusiasmada com o Halloween. Ontem, lembrou-se de me dizer que precisava de levar uma abóbora para a escola. Estranhei que não tivesse trazido nenhum recado escrito, mas lembrei-me que as professoras fomentam a responsabilidade dos meninos, dando-lhes recadinhos orais. Fui a dois supermercados e a três frutarias e não encontrei uma única abóbora. havia metades, quartos, mas abóboras inteiras nem vê-las.
Disse mal da minha vida, que raio de mania de importar tradições que não são nossas, agora onde é que eu vou arranjar uma abóbora a esta hora? Em desespero de causa telefonei à minha mãe, pedi-lhe que fosse à vizinha, que tem sempre um quintal tão cuidado, se não teria uma abóbora a mais. Tinha. 
Às dez da noite estava à sua porta para trazer a abóbora (mais uma trança de cebolas e um garrafão de feijão castanho).
Esta manhã, carreguei a monstrenga rua abaixo. Deve pesar perto de 10 kg. Cruzei-me com a professora a entrar na escola. 
- Bom dia, ainda bem que a encontro, olhe, sé calhar a abóbora é muito grande, mas foi a única que encontrei.
- Mas porquê, mãe?
- Então não era para trazer uma abóbora por causa do halloween?
- Não, mãe. Ninguém pediu abóboras...

Agora o que é que eu faço, depois de ter uma conversa séria com a Mironinho?

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Mas o que eu queria mesmo

Era ganhar um euromilhões pelas vezes que já tive de explicar às pessoas que aparecem no meu feed do Facebook, muito alarmadas, a partilhar esta notícia, que não passa de uma valente palermice. Sim, um euromilhões, ninguém merece ganhar só um euro para ter de lhes explicar isso. Ninguém merece...

Não, a Terra não vai ficar na escuridão durante seis dias no próximo mês de Dezembro. A sério, voltem para as correntes solidárias e gatinhos fofos e frases motivacionais.

Não quê?!

Será que ainda ninguém perdeu 30 segundos para ver o anúncio do novo passatempo Querido, Mudei a Casa?
Podia ser só um anúncio palerma, do género "ligue já e habilite-se a este prémio", mas o que dizer da punch line deste?
"Não tejas medo!"?!
Ninguém vê os anúncios antes de irem para o ar? Pois, se calhar não... Se calhar
é como aqui no blog, primeiro publica-se depois vai-se editando à medida que se descobrem os erros. Por outro lado, o anúncio já aí anda há mais de uma semana.
Quanto custa o segundo de publicidade na TV?


O pintor disse tejas? Não tejas medo? Ou ouvi mal?

Momento Oooooohhh, que amoooooooorrrrrr!

- Mamã, sabes um poema bonito?
- Eeeeer, de cor? Sei um ou dois.
- Dizes-me as letras para eu escrever? Quero escrever um poema para a minha professora. Se ela gosta de desenhos de certeza que também gosta de poemas.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Apetece-me

Batata doce acabada de assar, quentinha. Isso ou castanhas.
Se fosse eu a mandar, haveria um assador de castanhas em cada esquina. Bom, em cada esquina talvez não, mas à porta de minha casa, definitivamente. Não tinha de ser o dia todo, só precisava de lá estar uma hora por dia, a hora a que me apetecesse.
O que me dá uma ideia para o negócio que me vai tornar milionária, um serviço de entrega ao domicílio de batata doce e castanhas assadas.

Manual de sedução e cortejamento para solteiros - Capítulo I

Solteiros de Portugal, em encontrando uma solteira que vos agrade e a quem, simultaneamente, vocês agradam, dando-se o caso de, após um par de saídas públicas agradáveis, muito agradáveis até, agradáveis o ponto de a solteira em causa confidenciar à sua melhor amiga que desta vez é que é, que lhe parece ter descoberto o seu príncipe, dando-se o caso, dizia eu, de chegar a hora de a levarem a conhecer a vossa "caverna", que afinal é tudo menos uma caverna de testosterona, mas antes um apartamento decorado pela vossa mãe, onde os mil e um bibelots têm um lugar milimetricamente definido, e que vocês fazem questão de respeitar (tendo oportunidade, passem os olhos por um artigo cientifico sobre comportamento obsessivo/compulsivo, ou a wikipedia, não vamos subir muito a bitola), entrando no dito ninho, não corram a vestir o pijaminha, também ele oferecido pela vossa mãe, há várias opções a nível de roupa quando pensamos em conforto. E dando-se o caso de lhe prepararem um jantar romântico, não vão para a mesa com o referido pijama vestido, não, não vos estou  sugerir que jantem em pêlo, estou a dizer-vos que vistam outra roupa, certifiquem-se de que mantêm à mesa os modos que lhe mostraram nas vezes em que anteriormente foram jantar fora, a saber, usem faca e garfo, não cortem a comida toda, como se faz aos bebés, para depois comerem só com o garfo, não exclamem ahhh depois de beberem e revejam lá esse vosso aparente problema de refluxo gástrico. Sobretudo, não lhe peçam, ainda a solteira não levou a primeira garfada de comida à boca, que à saída leve o lixo para baixo, que vocês já estão de pijama!
Solteiros de Portugal que a esta hora se estão a interrogar sobre o motivo que a levou a querer ir embora logo depois do jantar, sem sequer levar o saco do lixo, e de depois disso não responder aos vossos telefonemas e sms ou de, respondendo, não aceitar os vossos convites para sair. Depois de lerem o tal artigo da wikipedia, leiam com atenção as minhas palavras supra e tentem descobrir que aspectos podem melhorar. Eu dou uma ajudinha... TODOS! E deixem que seja ela a ligar-vos, sim? Se entretanto conhecerem outra solteira, ou casada, que depois daquilo, é bom que percebam que o facto de conseguirem manter um qualquer relacionamento amoroso já é uma vitória, é avançarem, sem ressentimentos. Foi o que a solteira fez.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

E agora como é que eu trato isto?

Terapia da fala. Acho que preciso de terapia da fala.
Há pouco minutos, enquanto dava indicações a uma senhora meio perdida, percebi que digo "bêco" e "adêga". Sempre o disse dessa forma, mas agora que penso, parece-me  coisa de dondoca afectada.
Como é que ninguém me avisou? Amigos e família da onça, é o que é. Tenho amigos e família da onça!

Mirone aborda temas fracturantes

A saber, o Benfica e a política de segurança do blogger.

Gonçalo Guedes? Mas é essa a arma secreta do Benfica? Desde quando é que Gonçalo Guedes é nome de craque da bola, senhores? Ruben, Fábio... agora Gonçalo?

Entretanto, o blogger impôs-me captcha nos comentários, peço desculpa pelo inconveniente. Já fui às definições dizer que não quero, mas continuo a ter de provar que não sou um robot de cada vez que comento. Antes fosse, antes fosse.

No tempo e no espaço

Conquista. Ocupa. Conquista-me. Ocupa-me.
Muito antes do espaço ocupava os meus dias em pensamento.
Com o tempo conquistou espaço, primeiro dentro de mim, depois nos armários que se foram enchendo de roupas, primeiro pequeninas, depois maiores, no quarto que se encheu de brinquedos, depois na casa toda, que enche com sorrisos, choros e perguntas, tantas perguntas. Conquista espaço no mundo que a rodeia. O tempo é todo seu.
E conquista o meu coração, que enche todos os dias um pouco mais, o tempo todo...

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Uma espécie de manta

Ando à procura de uma que não tenha muito aspecto disso. Sofás claros e calças de ganga escura não combinam.

Das duas, uma

Ou tenho armários muito grandes, ou tenho pouca roupa. Não estou minimamente preocupada com o Verão de S. Martinho precoce, não sei o que é isso de arrumar roupa de Verão para tirar a roupa de Inverno. Cá em casa a roupa arruma-se nos roupeiros e cómodas, de um lado as roupas quentes, do outro as mais finas, numas gavetas as camisolas de lã, noutras as de algodão.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Se este fosse outro tipo de blog, contava-vos

... que um destes dias resolvemos ir fazer uma aventura com a Mironinho. Ela chama aventura a passeios pela floresta. Ouvimos falar num ecotrilho aqui por perto, calçámos os ténis, pusemos água, bolachas e fruta numa mochila e fizemo-nos a ele.
Pelo caminho íamos encontrando placas informativas, que lhe líamos, para que ficasse a saber mais sobre a fauna e flora daquele espaço. Tudo muito bem, à excepção de um enormes fungos, escuros, com um pó cor de mostarda.
- Não mexas em nada, Miroininho. Na natureza, devemos deixar tudo como encontrámos, não apanhes flores, não partas ramos de árvores, não mexas nos cogumelos nem ponhas nada na boca, pode ser venenoso.
Lemos placas sobre esquilos, sobre aranhas, sobre aves,
sobre borboletas, sobre víboras, sobre lontras. Sobre as mais diversas árvores, plantas, flores, sobre lagos e sobre pântanos... Mas nada sobre aqueles enormes fungos... Fotografámos tudo, para mais tarde recordar.

Ontem, em conversa com uma bióloga que dedicou uma parte boa da sua formação ao estudo de lagoas e pântanos, falámos nos estranhos fungos. Pretos, grandes, a quebrar-se, cobertos por um pó verde/amarelado. Nunca tínhamos visto nada assim...
- Com um cheiro almiscarado?
- Sei lá, não cheirámos, tínhamos medo que fosse venenoso.
- Espera, tenho aqui uma fotografia no telefone. Vê lá se sabes o que é.
-O pó amarelo é um fungo, é uma zona húmida, tem matéria orgânica, tem chovido, não está muito frio... não estão enganados. Mas não perceberam o que é o aquilo mais escuro?

Acabamos por perceber... Felizmente este não é um desses blogs, senão também vos explicava.



Venha o diabo e escolha

Entre os padres e este...

É ver e reflectir, fregueses, que a mensagem é importante.

Efeito "pau de giz no quadro"

Pessoas que pronunciam "dinUssauro", "cosmopÓlita", "mafÍa".

domingo, 19 de outubro de 2014

Assim são os fins de tarde de domingo na maison Mirone

Mr. Mirone - Mirone, estás no computador?
Mirone - Estou.
Mr. Mirone - Então vai aí ao youtube e procura padres en slips.
Mirone - O quê?!
Mr. Mirone - Padres em slip, é um vídeo a preto e branco.
Mirone - Mas o que é que tu andas a ver?!
Mr. Mirone - Procura lá, é giro.
Mirone - Achas?!
Mr. Mirone - Vê, não tem mal nenhum.

...Sei de divórcios que começaram por menos... fui ver.

Mirone - Ah, podias ter dito. Fraquinho...
Mr. Mirone - Mas o que é que querias? És tarada ou quê?!

O vídeo aqui .




 

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Mudar-se-ão os tempos quando se mudarem as vontades

- Mamã, quando é que eu vou para uma escola que não tenha bibe?
- Porquê?
- Porquê com bibe não se vê a minha roupa.

Por mim há-de andar de bibe até lhe passar a vaidade.



quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Que força é essa, amigo?

O que é que leva uma pessoa que não me conhece pessoalmente e com a qual não tenho qualquer amigo em comum a pedir-me amizade no Facebook? Eu até podia dizer que foi algum comentário genial que leu por aí, mas dá-se o caso de eu comentar apenas em meia dúzia de "lugares" e de, reconheço, os meus comentários estarem longe da genialidade.
Mais, o que é que a leva a acreditar que eu aceitaria amizade de uma pessoa que não conheço e com a qual não tenho amigos em comum, especialmente quando essa pessoa nem sequer tem um fotografia ou outra informação que me permita identificá-la? Será aquilo do "sinto-me com sorte" do Google?
Mal comparado, que não me tenho assim em tão boa conta, joguem antes no euromilhões. Fica mais caro, mas são capazes de ter mais sorte.

Mesmo sem ter um trabalho importante, daqueles que lidam com tabelas excel, sei isso

Copiar e colar uma lista numa folha de excel não é o mesmo que fazer um directório em excel.

(cinco mil linhas - vá lá, metade está em branco - sem qualquer utilidade, e que me fazem tanta falta)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Mas sabem o que é que me dói, o que me dói mesmo?

O dedo médio da mão direita, dói-me a articulação entre a falangina e a falangeta. Acho que estou a desenvolver uma tendinite.

O quê Mirone? Uma tendinite? Por causa da Calzedonia? Como é que se desenvolve uma tendinite entre a falangina e a falangeta? És muito estranha...

Deu o tanglomango no meu portátil e Mr. Mirone dispensou-me um portátil de refugo que tinha no escritório encostado a um canto, até o meu voltar, nada de especial, mas que cumpre muito bem a sua função. Acontece que além do touch pad, este computador tem também um rato no teclado, uma bolinha entre o G e o H, mesmo por cima do B. (Mr., se me estás a ler, não fiques triste por eu não saber o nome técnico do rato, concentra-te no que diz a tua filha, o que conta são os sentimentos e eu gosto é de ti e o portátil é de refugo, mas bem bom!).
Adiante, a bolinha é tão prática que decidi dispensar o rato de secretária.


Vou "desdecidir"!

Quem tem instintos criminosos quando ouve o anúncio da Calzedonia ponha o dedo no ar

Estou tão, mas tãooooo, fartinha daquela música!
E o mais dramático é que até ao Natal a coisa vai piorar substancialmente. Eu sou vossa cliente, senhores, as meias são boas e em conta, mudem lá a música, por favor.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

O que interessa são os sentimentos

(ainda a pensar na festa)

- Mironinho, qual é a tua cor preferida?
- Nenhuma. Não tenho cor preferida.
- Não tens?! Eu pensava que era o cor-de-rosa, que rima com pirosa...
- Não, não é o cor-de-rosa, sabes porquê? Porque a cor não interessa nada, o que conta são os sentimentos.

Até pode ser pirosa, mas de racista não tem nada.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Contem-me tudo, não me escondam nada!

Olá pessoas bonitas e glamourosas que me lêem.
Mironinho vai fazer anos e estou preocupada com a festinha que vamos preparar para a família e colegas da escola.
Contem-me tudo, meus torrõezinhos de alicante, gente esclarecida e actualizada. O que é que está a dar no mundo dos blogo-fashion-kids-party-events-happenings? 
Já risquei os cupcakes, os popcakes, as pavlovas, os bolos decorados com três kilos de pasta americana (intragável), que foram moda nos anos que passaram. Preciso de saber o que de mais tcharan se está a fazer.
Ou querem ver que me vou ficar por um ou dois doces de colher, salada de frutas, pelos bolos caseiros, pães de leite com queijo e fiambre, salgadinhos, sumos? Querem ver que, mais uma vez, não vai haver blogo-report do evento? É isso, é?
Mais vale fechar isto, é o que é...
Ou fazer os convites (que miséria, convites feitos por mim... é que se fossem blogáveis, com fotografias muito fofinhas dos pormenores, ainda podiam ascender à categoria "home made", sendo assim, olhem... nem sei).

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Diz que ninguém sabe dele

Mas eu tenho a certeza de que os meus leitores dão com o 'Kimzinho' em menos de um fósforo.
Vamos jogar ao "Onde está o Kim Young Un"?