Falam-se línguas (translate)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Mr. Mirone, temos de conversar

Sempre tive um carinho especial pelos "petit noms" adoptados pelos casais entre si. Carinho esse que é proporcional à tristeza que me invade por nunca ter tido um, trato Mr. Mirone pelo nome próprio, e o mais que ouvi dele, além do meu nome próprio, é um esporádico Titizinha. Os meus pais e sogros tratam-se pelos nomes próprios, irmãos e cunhados idem, já os meus avós o faziam.
Lembro-me de um casal de vizinhos que se tratava por fofo e fofa, as reuniões de condomínio eram verdadeiramente fofuxas. Conheci namorados que se tratavam por bebé, amor, amorzinho, querida, outros, sim, já me cruzei com mais que um casal que se trata por nino e nina. Já conheci uma faneca casada com um homem, umcasal boneca e boneco e uma princesa casada com um meu rei. Ainda assim, nenhum batia o clássico 'mor. Eu, tristinha, sem petit nom, nã achava bem nem mal, cada um sabe de si e Deus sabe de todos. Mas a minha vida mudou, e exijo um petit nom igual aos do amigo de Mr. Mirone com quem jantámos ontem.
Mr. Mirone, se me estás a ler, é "Anjo", a partir de hoje quero ser tratada por anjo. Não é meu anjo nem anjinho. Simplesmente Anjo. "Anjo, viste a minha chave?". "Anjo, a que horas chegas?"
Prometo igual tratamento. Pensa nisso com carinho, sim, Anjo?

10 comentários:

  1. Não sei se é boa ideia... a menos que estejas cansada da vida sexual que tens levado a cabo com Mr. Mirone, aí sim, acho até bastante perspicaz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina,ainda bem que atenho para me alertar para estas coisas. Como é que me fui esquecer que os anjos não têm sexo?
      Isto é como dizia actual PR, quando para um programa sobre a importância de ter uma vida sexual activa e ele respondeu "basta olhar para mim, ainda sou um jovem...". Tendo em conta que sou bastante mais nova que ele, pois, confere, é importante. .

      Eliminar
  2. :) vá uma anedota: Uma vez um casal foi jantar a casa de uns amigos. O anfitrião tratava a esposa por meu ajinho; vai o amigo e comenta; - bolas tantos anos casados e ainda tratas assim a tua esposa com tanto carinho; vai o amigo e diz; - epá tá calado trato-a assim porque não me lembro do nome dela :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D
      Estes estão juntos há pouco mais de um ano e não são assim tão idosos que lhes comece a faltar a memória. Mas nunca se sabe.

      Eliminar
  3. Partilho aqui que ninguém me conhece, cá por casa é muito mais divertido, tratamo-nos mutuamente por "Chimpy" mas mesmo só em casa, da porta para fora somos o que somos.

    ResponderEliminar
  4. Os meus sobros tratam-se por nino e nina.
    Tenho um casal amigo que se tratam por Zé. Ela e ele. São os dois Zé (é engraçado, a sério).
    O meu pai sempre chamou a minha mãe de Amélia (mas ela chama-se Manuela). As pessoas às vezes ficam confusas! ahahahah
    Eu ao meu chamo diversas coisas e nem todas são fofas! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O teu pai ganha o prémio da criatividade:)

      Eliminar
  5. Nós temos imensos petit noms. O mais corrente é bicho - lá em casa não é insulto - mas também lhe chamo coisas tão carinhosas como semente de satã, bandido, meliante, servo do mal, sacripanta. Somos muito melosos.

    ResponderEliminar
  6. Na brincadeira também invento nomes, chamo-lhe Celso, dude, Ssenhor, mas a triste realidade é que nos tratamos pelo nome próprio em 95% das vezes.

    ResponderEliminar
  7. Não é anedota, conheci mesmo um míudo ( teria 4/5 anos) que estava convencido que o pai se chamava amorzinho, porque era assim que a mãe o tratava :)

    ResponderEliminar