Falam-se línguas (translate)

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Os problemas desta mulher

Esquecer-se com frequência do lugar onde estacionou o carro.

Depois deste episódio triste, hoje voltei ao centro comercial durante o almoço.
Aperto a chave, click- click, e nada, a porta não abre, as luzes não ligam. 
Aperto outra vez. E mais outra, a apontar para dentro do carro. Nada. "Terá a pilha fraca? Olha, abro manualmente."
Meto a chave à porta, rodo para a esquerda, rodo para a a direita. "Ó diabo, nem assim abre? Querem ver que aquela conversa do Mr Mirone, para ter cuidado com as chaves que às vezes desprogramam é mesmo verdade? Nah, deve ser treta, deixa lá tentar, com um bocadinho mais de força". Nada. 
"Quanta força aguentará uma chave de carro?". Nada, não abre. "Abre-te Sésamo!". Fechado. "Abre-te Seat?". "Abracadabra? Supercalifragilisticaexpialidoso?" Surdo de todo, o carro não obedece.
"Espera lá, um maço de tabaco? O que está a fazer um maço de tabaco no meu carro? E a cadeirinha da Mironinho? Hummm...deixa cá ver a matrícula..."


Agora diz lá, quantos lugares ao lado estava o teu carro, Mirone?
Um andar abaixo.

15 comentários:

  1. Já me aconteceu várias vezes e o pior é que é sempre no mesmo centro comercial, que até nem é dos maiores da capital! Uma vez fiz o segurança percorrer o andar todo do parque de estacionamento comigo porque jurada que me tinham roubado o carro, estava 2 andares a baixo, no piso -3!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou mãe de ninguém que não tenho idade para essas coisas. Mas sou a campeã nestas coisas da distração!

      Eliminar
  2. Deixe lá, é o meu também.

    ResponderEliminar
  3. A mim já aconteceu não saber onde estava o carro, aponto o comando para cima e aperto e o carro estava memo atrás de mim. Hihi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uso muito essa técnica, chegando ao local onde penso que deixei o carro aponto o comando e aperto. O que acender as luzes é o meu. :DDD

      Eliminar
  4. Vou direitinha ao meu carro, carrego na chave e oiço o barulho da porta a abrir, na mesma direcção caminha confiante uma senhora, chego perto, meto a mão na porta e vejo uma caixa de lenços (daquelas coladas no tablier). Mau, quem pôs aquilo ali? Pois, a senhora que sorria para mim mas que por dentro ria à gargalhada. O meu estava dois lugares antes, tinha acabado de lhe passar ao lado, nem me passou pela cabeça dizer as palavras mágicas:
    "Supercalifragil####**** coiso!"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eh pah, na aflição a gente lembra-se de tudo :)))

      Eliminar
  5. Junta-te ao clube! Já fiz tantas vezes essa figura. :)
    E tiveste sorte, da última vez, eu fiz disparar o alarme do carro ... e tive direito a uma "escolta" até ao meu carro por parte dos dois seguranças do parque (acharam que um sozinho não seria capaz de dar conta do recado). ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pensei nisso, teria sido uma vergonha de todo o tamanho.
      Acho que é genético. A minha mãe uma vez pôs os seguranças do parque (com cancela) do hospital à procura do carro, porque lho tinham roubado (e ela deixava sempre o carro ali). Depois de passarem o parque a pente fino e de já ir com o segurança na direcção da portaria para verem o que se podia fazer, a minha mãe lembrou-se que naquele dia tinha deixado o carro noutro parque.

      Eliminar
  6. Ainda só me aconteceu 1 vez confundir o carro, mas deixar o carro no parque de estacionamento do serviço e ir a pé para casa já me aconteceu 2 vezes...

    ResponderEliminar

  7. Eu e estacionamentos de centros comerciais também não nos damos muito bem não, geralmente corro os pisos todos à procura, mas lá encontro o desgraçado.

    Agora se queres conhecer alguém que já saiu de uma loja (não me lembro de quê), cheia de pressa porque o homem tinha o carro mal parado no rua em frente, entrou num carro que não era o seu, se sentou ao lado de um homem que não era o seu, enquanto praguejava com a lojista que a tinha atendido e que só quando estranhou a demora em seguir caminho é que se lembrou de olhar para o lado e ver finalmente, perante um senhor com ar assustado, o erro que tinha cometido, saiu do carro com a maior vergonha do mundo para se deparar com um carro igualzinho, igualzinho logo atrás com o seu homem no interior a rir à gargalhada... Madame Pi, muito prazer!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Madame Pi, estamos juntas! Uma vez só não dei um beijoca daquelas a um taxista porque não calhou. Na altura ainda estava a estudar e namorava com o Arlindo Orlando, e ele tinha dito que me ia buscar para jantar. Tocou à campainha e disse-me que esperava no carro. Eu desci a correr e entrei no primeiro carro perto que encontrei. :D

      Eliminar