Falam-se línguas (translate)

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Fui então ver os tecidos cor de surro

Estavamos decididos a trocar o branco pelo cinzento, 'taupe', cor de pedra, enfim, cor de surro, como disse o estofador... Mas depois bateram-me os olhos num chesterfield azul.
Leitoras queridas, como é que vocês fazem para convencer os vossos maridos a fazer uma coisa que querem muito e eles não querem nada?

37 comentários:

  1. Faz-se um cafuné, insiste-se verbalmente, massacra-se, até eles nos deixarem levar a bicicleta. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dou-lhe cafunés e mimos todos os dias, precisa de outros argumentos. :)

      Eliminar
  2. Eu amuo forte. Quando não resulta, o que é raro, faço campanha sobre as n vantagens daquilo que eu quero, mas sempre esclarecendo que não é campanha, que ele é que decide e tal, que só falo no assunto para que fique bem informado de todas as vantagens do caminho da luz (o meu, portanto) :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou farta de lhe dizer que os tons claros são uma porcaria, que se sujam só de olhar... (Que era o que ele me disse quando comprámos os sofás que temos e que eu amuei até ele concordar com o tecido branco), mas agora é ele que contrapôe e diz que dá mais luz e leveza, é mais fácil de variar a decoração, trocando uma ou duas almofadas...

      Eliminar
  3. Fazer com que eles pensem que a nova ideia é ideia deles. Resulta sempre.

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Quer dar-me mais umas dicas? Que não impliquem comprar o dofá à sua revelia, evidentemente.

      Eliminar
  5. Simples, fazer ele pensar que a ideia foi dele hehehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele não é propriamente um débil mental, e pior, é de ideias tão ou mais fixas que eu. :)

      Eliminar
  6. A questão é mais esta: como é que vocês aturam os vossos maridos quando eles, contrariados até à enésima potência, cedem aos vossos pedidos, mas frisando que se daí a dois meses nos arrependermos nos vão massacrar até aos últimos dias, e, efectivamente, ao fim de uns meses mudarem de ideias?
    É que neste momento só penso no raio do sofá azul e de como ficará tão bem, e másculo, e sofisticado, e confortável, e aconchegante, e tudo e tudo, com as paredes cinzentas, mas temo que mal chegue a primavera me apeteça ter uma sala muito branca e luminosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo-te. Nesse caso, nunca, jamais em tempo algum poderás mostrar o teu arrependimento, caso o haja, e um dia voltas a mudar o sofá, mas por outro motivo. Até lá, é fazer campanha das n vantagens de um sofá azul ;)

      Se for possível, pede uma amostra do tecido, ou pede ao estofador que te leve uma quantidade que dê para cobrir o sofá e fazer um teste, e num dia com boa luz, em que não chova, põe em cima do sofá. Já te dá uma ideia de como vai ficar. Se não te derem uma amostra, experimenta com uma manta ou qualquer coisa num tom parecido. Duvido que te arrependas, fica mesmo giro, mas eu sou suspeita. Tenho um sofá azul acinzentado e gosto de ver com o tapete creme muito laro, não escurece a sala, se bem que andava numa de o passar para branco, mas lá está, enquanto houver miúdos não sei se é boa ideia ;)

      Eliminar
    2. Mirone, eu nem ia dizer nada... Mas confesso que fiquei atónita com a tua pergunta, por seres tu a enunciá-la, evidentemente, e depois vi o comentário do Tio e, enfim, estava lá tudo, mas depois leio "e másculo" e não resisto a comentar: "Estás boazinha, ou não queres dizer?" ...

      Eliminar
    3. Másculo por oposição a feminino. Há aquela decoração tipo querido mudei a casa, muito ikea meets Pedroso e Osório com uns bling bling e flores pelo meio e depois há a decoração de que homem nenhum se envergonha de levar os amigos lá a casa. E eu queria ter uma decoração não marcadamente feminina, mais "máscula".

      Eliminar
    4. Mac, podes sempre optar por um tecido cor de surro ;)

      Eliminar
  7. Pipocante Irrelevante Delirante19 de janeiro de 2016 às 22:40

    Cara Mirone, não sei que conselho lhe dar.

    Sem nada a ver, uma modelo qualquer na Colombia resolveu oferecer ao seu namorado um "a tres" com uma amiga, como prenda de aniversário. True story, muito pitoresco.

    Voltando ao assunto.
    Tente provar cientifica e racionalmente que tem razão.

    Olhe, por falar em racionalidade, já lhe contei que...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PID, nem sei o que lhe diga...
      Usar favores sexuais para obter o que quer que seja de um homem parece-me muito pouco abonatório (para ambos).
      Vou concentrar-me na ciência.

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante20 de janeiro de 2016 às 09:45

      Sex... Sex... Oh, onde foi buscar essa ideia???
      E não sei quê os homens esquecem tudo quando coiso... Que sexismo preconceituoso primário!!! Estou indignado.


      (E um sofá... Ou castanho escuro, ou preto. Nem sabia que se fazia disso noutras cores)

      Eliminar
    3. Oh PID! Que disparate o meu! Não percebi que o a três a que se referia era um jogo de cartas, alguma bisca, não? Peço mil desculpas.

      (Completamente fora de questão!!!!!

      Temos um numa espécie de pied' poule/ tweed castanho e preto no escritório, é muito bonito, mas na sala quero outra coisa.)

      Eliminar
    4. Pipocante Irrelevante Delirante20 de janeiro de 2016 às 11:54

      Já reparei que a Mirone é algo preconceituosa e defende os estereótipos.
      Para sim o homem só está bem é de cinto de ferramentas à cintura, e só entra na cozinha na arrastar o frigorífico quando é preciso limpar por baixo daquele, ou arranjar a máquina de lavar.

      Tweed? Conheço o tweeter e o tweety...

      Eliminar
    5. Conto de ferramentas à cintura e conto das calças na mão, evidentemente :))))))

      Eliminar
  8. Chesterfield azul, para mim, são cigarros. Tu e os pantones...
    Eu tenho um sofá azul escuro e um azul turquesa, no entanto, não tive de convencer ninguém. Aconselho-te a fazer beicinho, se os outros (quais???!) argumentos não funcionarem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São aqueles de costas baixas, com capitoné...

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Esse é o último argumento. Ele ia logo dizer que é porque eles estão desejosos de o impingir a alguém.
      Ele até tem razão, um sofá numa cor forte limita um pouco a decoração e cansa mais depressa.

      Mas é tão lindão...

      Eliminar
  10. Eu ajudava-te mas concordo com o teu marido. Um azul é tão limitativo. Proponho uma solução que vá ao encontro de ambas as partes. Assim os dois cedem e os dois saem a ganhar.

    ResponderEliminar
  11. Cinzento. Ou Camelo.
    Mirone é fácil. É deixar comprar branco, frisando bem que mal fique surrado (é só comprar jeans escuros e sentar lá o rabo umas poucas de vezes) aquilo será substituído por um tom mais apropriado (talvez um chesterfield azul?...)

    Isso nem parece seu, não saber como convencer o mais que tudo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pic, vamos mudar de sofás (que são em branco cru, um íman para as nódoas) para uma cor mais resistente . Inicialmente estávamos AMBOS inclinados para o cinza pêlo de rato, o café com leite, cor de pedra, por aí, com um vivo branco (o senhor dos estofos disse-me que é vivo que se diz). Decisão tranquila, consensual, tudo na paz de Deus e os anjos. Sucede, Piquinha, que quando pus o primeiro pé na loja, com o outro ainda cá fora, os meus olhos lindos e doces olhos de azeitona, foram arrancados violentamente da sua órbita amendoada, para se estatelarem, assim como quem cai de boca, no tal chesterfield. E aí fez-se luz, tive uma epifania, as águas turvas e revoltadas da minha existência serenaram, afastaram-se e mostraram-me o caminho do bem: um chesterfield, classudo que só ele, azul (que não é indigno, nem petróleo, nem meia-noite, nem cobalto, nem turquesa, nem marinho), um azul lindo, Pic!

      Eliminar