Falam-se línguas (translate)

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Porque ontem foi Dia da Mãe

Teria três ou quatro anos, menos de cinco com toda a certeza - a minha irmã mais nova ainda não tinha nascido - quando num fim de tarde quente a minha mãe nos foi buscar, a mim e à minha irmã mais velha, ao infantário. Era sexta-feira. Às sextas-feiras, depois de nos ir buscar, a mãe levava-nos a lanchar a uma pastelaria ali perto e depois ia fazer as compras da semana ao supermercado. Talvez naquele dia a minha mãe me tivesse dado um gelado, talvez me tivesse deixado comer um bolo (a minha mãe não gostava que comessemos bolos), talvez não tivesse feito nada daquilo e tivéssemos lanchado a costumeira sandes de queijo ou fiambre, sei que senti uma necessidade súbita de a abraçar e de lhe dizer o quanto gostava dela. Subi-lhe para o colo, segurei-lhe o rosto entre as mãos, olhei-a nos olhos e disse orgulhosa:
- Mãe, és um bocadinho feiita, mas eu gosto tanto de ti!
- Achas a mãe feia? A mãe também acha, mas também gosta muito de ti.

Ontem foi dia da mãe e eu continuo a não encontrar uma frase que traduza tão bem o que sinto por ela como aquela. Ontem, da mesma forma que o faço  das várias vezes que recordamos aquele episódio entre risadas, voltei a dizer-lhe:
- Mãe, és um bocadinho feiita, mas eu gosto tanto de ti!
Que não perca nunca esta capacidade de a amar muito para além do que os meus olhos me mostram.





E não, a minha mãe não é nem nunca foi nenhum camafeu, a dona da tal pastelaria até dizia que ela "dava ares de Sophia Loren" com as maçãs do rosto tão definidas.



12 comentários:

  1. E de dizer que amamos os que amamos. Enquanto os temos à nossa volta... nunca é demais dizer que se ama.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. Amar sempre e mesmo que aos nossos olhos - e por vezes ao nosso coração - nos pareça "feio" ou imperfeito e deixá-lo bem claro, seja por palavras, seja por acções.
      Algures no mundo também há quem nos ame apesar dos nossos defeitos.

      Eliminar
  2. Olha que duas! A panela e o testo que se compreendem tão bem.
    Assim gostassem tanto das vossas vítimas que a picante está sempre a descascar no blogue dela e a queridinha da mirone a ir aplaudir e a pedir bis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vítimas? Aplausos? Quer especificar ou prefere continuar a atirar acusações ocas para o ar?

      Eliminar
    2. Bem me pareceu que não tinha nada para dizer, que era só fogo de vista, falar só para se ouvir, já que na realidade não tem nada para dizer. Lembrou-me aqueles "valentões", que fazem e acontecem, que são os maiores lá da rua, que por tudo e por nada gritam " Ai 'deslarguem-me' que eu vou-me a ele", mas quando efectivamente lhes é dada a oportunidade de se irem a ele põem o rabinho entre as pernas e saem de mansinho.
      Volte sempre, de preferência quando tiver argumentos que suportem as afirmações que faz.

      Eliminar
  3. Um "bocadinho feiita" é top! :DDDD Um grande beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era só um bocadinho pequenino, mal se notava... :D

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  4. O meu ainda no dia da Mãe me disse "ó mãe, 'tás a ficá goda puquê"?
    E vê, só engordei dois miseros quilos.
    O feiita bate todas. TOP!

    ResponderEliminar
  5. És a maior Mirone e o mais engraçado é que me parece que já nasceu contigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pior, parece que se transmite de geração em geração... :D

      Eliminar