Falam-se línguas (translate)

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Confirma-se...

Depois de uma espreitadela rápida às notícias já deu para perceber que efetivamente as pessoas foram mesmo ver as ondas de perto.
A TVI chama-lhes corajosos. Na Gafanha da Nazaré um desses "corajosos" está  desaparecido. A SIC decidiu perguntar ao capitão da Polícia Marítima de Cascais porque deviam as pessoas manter-se afastadas do mar. A resposta veio do mar, uma valente chuveirada.

Só não acerto no Euromilhões...


18 comentários:

  1. Sabes que as pessoas que se perdem nas serras e obrigam a acções de salvamento, têm de pagar multa. As pessoas que se deslocam a locais junto ao mar quando esses acessos estão cortados, deviam pagar também e a dobrar. As pessoas só sentem quando lhes sai do bolso ou quando perdem a vida mas aí já não sentem grande coisa.
    Os media também alimentam estas coisas, é vê-los ali à beira-mar à espera do mau tempo e a desilusão espelhada quando afinal não aconteceu nenhuma desgraça para noticiar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diz que estavam a fazer uns bruxedos...

      Eliminar
    2. Tenho cá comigo que o feitiço se virou contra o feiticeiro.

      Eliminar
    3. Pipocante Irrelevante Delirante3 de fevereiro de 2017 às 19:43

      Estavam a invocar Poseidon?

      Eliminar
  2. Amanhã o Marcelo não vai a banhos eheheh.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O nosso Presidente não brinca com coisas sérias :)

      Eliminar
  3. Pipocante Irrelevante Delirante3 de fevereiro de 2017 às 01:07

    Um bocado falta respeito.
    Colocar os RH a tempo inteiro à beira-mar, e ninguém se dignava a ser levado por uma vaga. É gozar com o trabalho das pessoas.
    (Só faltou um 'tavaaverquenao, coizasse)

    ResponderEliminar
  4. Por acaso ontem quando vi as notícias lembrei-me logo de ti... Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. I am always on your mind... como a Priscila no do Elvis.
      :)

      Eliminar
  5. É muito triste que aconteça isto.

    No outro post tinha comentado a brincar (acho que não ficou) que era o programa familiar ideal. Mas neste momento já não me parece coisa com a qual se brinque. Infelizmente há muitos que continuam a brincar com a vida, a deles e a dos outros.
    A mim revolta-me mesmo ver pessoas com crianças junto daquilo, não sei que tipo de fascínio macabro tem a ida para um local perigoso, ainda por cima com seres que dependem de nós.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu até acredito que ver as ondas grandes seja um espectáculo bonito, mas caramba, são grandes dá perfeitamente para se observarem a uma distância de segurança. Quando a imprudência de uns coloca outros em perigo então vou aos arames. Não consigo perceber mesmo o que se passa naquelas cabeças.

      Eliminar