Falam-se línguas (translate)

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

De Trás-os-Montes para a mundo

Todos os anos há um canal de televisão, ou vários, que faz uma reportagem sobre um menino pastor, algures numa aldeia perdida no meio da serra, onde o Judas perdeu as botas, onde o vento faz a curva. Não sei se é praxe, se é um requisito para o acesso à profissão, se as reportagens dos pastores fazem parte de uma "playlist" rídida, ou qualquer coisa do género, se é só falta de ideias... Não sei, não sou jornalista.
Este ano, um dos sonhos do menino pastor de Mondim de Basto era ver o mar e um centro comercial. Esse tipo de reportagens não me diz rigorosamente nada. Acho sempre um bocadinho forçado o que nos estão a tentar enfiar pelos olhos dentro. Normalmente a mesma musiquinha melancólica, "tipo Yann Tiersen" (acho que nesta era Bryan Adams, que arrepio mau), e a "poesia" de algibeira misturada com um jornalismo de investigação/grande reportagem. Não é que daí venha mal ao mundo, mas não gosto do registo. Fico sempre com a sensação de que aquilo não passa de um exercício de desdém encapotado (nós aqui tão cosmopolitas e eles "coitadinhos" ali abandonados no meio das pedras), que querem pintar o quadro mais negro do que realmente ele é. Há assimetrias entre o interior e o litoral, pois há, todos sabemos, mas nem todos os transmontanos são desgraçadinhos, mesmo quando não nunca se viu o mar ou um shopping. E que raio de perguntas são essas, "como é imaginas uma praia, e um Shopping?". E porque não uma reportagem sobre os meninos da cidade que nunca viram uma cabra, que acham que o leite vem dos pacotes? Mas isso seria quase ridícularizá-los Mirone, não tem grande interesse... Lá está, são limitações minhas (e tenho tantas), eles é que são os jornalistas, quem sou eu para lhes dizer como devem fazer o seu trabalho.
Agarrassem no miúdo e levassem-no à praia. De Mondim de Basto ao Porto são menos de 100 kilómetros. Numa tarde dá para ir e vir.
Digo eu, que sempre tive o mar como garantido.
Mas pela boca morre o peixe, e não há nada mais castigado do que a língua, sempre ouvi a minha avó dizer. Ontem descobri que tenho uma menina pastora em casa. Tens o quê Mirone?
Tenho uma menina pastora em casa e até fiz uma reportagem. Ontem, o pior dia do ano para ir à praia (um feriado em pleno mês de Agosto), a convite de uns amigos decidimos contornar a confusão e, cedinho, saímos à procura de uma praia onde os miúdos pudessem correr e gritar à vontade. Três casais, 4 crianças da mesma idade lá fomos nós, felizes e contentes, "a cantar muito caladinhos". Muito caladinhos? Sim, muito caladinhos até pararmos o carro. Mal lhes tirámos os cintos de segurança e se aperceberam que iamos à praia, os miúdos pareciam possuídos. Largam numa gritaria, abraçados aos saltos, eufóricos, como se nunca tivessem visto o mar, os nossos meninos pastores! "Praia, praia, praia, praia". Ou melhor, "pe-rai-a, pe-rai-a, pe-rai-a, pe-rai-a!". Tanta alegria, tão genuína! Com direito a "reportagem caseira", para consumo interno. Daqui a uns anos ainda se hão-de rir tanto à custa da gritaria da Pe-rai-a!




1 comentário:

  1. Clap, clap, clap!! (aplausos de transmontana infelizmente desterrada)

    ResponderEliminar