Falam-se línguas (translate)

quinta-feira, 12 de março de 2015

Mirone, life/home/officestylist for a day

Os dias mais quentes e luminosos chegaram e com eles a vontade de mudar a nossa roupa, a decoração de casa e do escritório. São os casacos compridos que dão lugar a blusas leves, as botas fechadas que cedem aos sapatos abertos, são as almofadas que se trocam por outras de tons mais frescos e padrões florais, são as jarras que se enchem de ramos de flores silvestres a dar um apontamento rústico-romântico-provençal. São as janelas que se abrem ao calor, ao sol e aos cheiros do campo.
Eu já comecei a mudança. No escritório. Entraram os cheiros do campo e eu abri as janelas.

Há lá coisa mais rústico-amorosa que estes ambientadores caseiros que me deixaram esta manhã?

17 comentários:

  1. Com a fome que eu tenho, Mirone, isso marchava já com um panito alentejano e um tinto, que era uma beleza!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se forem com as últimas são bem boas, sim senhora.

      Eliminar
    2. Mm sem grande fome, marchava com pão e vinho tinto :) arranja-se sp um espacinho no estomago :) (o q pode explicar o meu peso, agora q penso nisso...)

      Eliminar
    3. É só para dizer que em honra destes chouricinhos caseitros esta noite haverá caldo verde chez Mirone. Se quiserem muito fotografo e ponho aqui no blog :P

      Eliminar
  2. Estás mesmo onde Mironinho querida?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segue o olfacto, lulu, que elas cheiram à distância.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. As chouriças foram um agradinho, não foram pagamento.

      Eliminar
  4. "Caseirinhas, olhe que disto não arranja nos supermercados, é mesmo coisa boa"

    ResponderEliminar
  5. Também podem ser usadas como ambientadores para o carro, penduradas no espelho, ficam óptimas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Havia de ficarum cheirinho lindo, ainda por cima nestes dias mais quentes. :)))))

      Eliminar
  6. Querida Mirone,
    Por vezes também calham queijos, daqueles que fazem, quem não sabe, pensar que entrou no antro do chulé.
    Bom proveito,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Flores, azeite, bolo rei pelo Natal, amêndoas e folar na Páscoa. O mais estranho que me ofereceram foi um robalo, mas recusei gentilmente por não ter onde o guardar o fia todo.

      Eliminar
    2. Ofertas dessas são sinal de reconhecimento sentido. Quem dá assim, não pretende furtar-se ao pagamento, mas exprimir gratidão por um trabalho valioso. Está de parabéns Mirone. (Pena do robalo.)

      Eliminar
    3. Não tinha mesmo onde o guardar e sim, normalmente vêm de gente humilde, que paga a tempo e horas e ainda se lembra de mim para estes miminhos em datas especiais.

      (Agora sempre que me lembro do robalo lembro-me do processo face oculta em que nos autos se discutia, também, se Manuel Godinho teria oferecido a armando Vara uma caixa de Robalos. :DDD)

      Eliminar
  7. Que curioso, são os mesmos ambientadores que uso para perfumar a mala de viagem, quando venho de Portugal! E os queijos, e bacalhau.
    Nada phino, bem sei,mas cada um é para o que nasce. Ahahahahhahahaha

    ResponderEliminar